Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Presidente do Flamengo reconhece irregularidade em gol

Eduardo Bandeira de Mello brinca com a situação: 'Primeiro caso de um erro de arbitragem que nos favorece em 32 rodadas'

Estadão Conteúdo

24 Outubro 2016 | 06h50

O presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, reconheceu que o primeiro gol de Guerrero, no empate por 2 a 2 com o Corinthians, foi irregular. No lance, uma falta cobrada pelo meia Diego, o atacante peruano estava à frente do setor defensivo corintiano. Guerrero, aliás, não estava sozinho. Outros dois jogadores do time carioca estavam em posição de impedimento.

Apesar de reconhecer que o Flamengo fora beneficiado pelo erro da arbitragem contra o Corinthians, Bandeira não perdeu a oportunidade para ironizar a situação. Na sua visão, o clube foi muito prejudicado pelos erros durante todo o campeonato. "Se estava realmente impedido, vamos reconhecer que terá sido o primeiro caso de um erro de arbitragem que nos favorece em 32 rodadas", ironizou o dirigente.

O técnico Zé Ricardo, por sua vez, procurou fugir de polêmicas, deu um discurso mais ponderado, mas também reconheceu que o erro existiu. "Estava em uma posição diagonal no lance, ali do banco. O Corinthians faz bem essa linha de impedimento. Acho que a reclamação foi pelo lance do momento, mas do banco não vi. Mas acredito que possa estar impedido realmente", comentou.

O empate diante do Corinthians e a vitória do Palmeiras fez com que aumentasse para seis pontos a desvantagem do Flamengo para a liderança. Mas o presidente Bandeira de Mello mostrou confiança nos jogadores e na grandeza do clube para chegar ao título. "É um final difícil. Precisamos nos superar e dar o máximo. Acredito porque isso aqui é Flamengo", disse.

O meia Diego concordou com seu dirigente, mas lamentou o empate em casa. "Temos de fazer nossa parte, lutar 90 minutos e procurar vencer. Acho que não faltou dedicação. Falhamos em alguns lances, infelizmente", concluiu o jogador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.