Divulgação
Divulgação

Presidente do Fluminense apresenta projeto de novo CT na Tijuca

Local será utilizado para os Jogos Olímpicos de 2016 e como base de apoio na Copa América de 2019

Marcio Dolzan, Agência Estado

11 de março de 2014 | 17h25

RIO - O Fluminense apresentou na tarde desta terça-feira o projeto de seu novo Centro de Treinamentos. Localizado na Barra da Tijuca, em terreno cedido pela Prefeitura do Rio de Janeiro, o CT tem custo estimado de R$ 40 milhões e deverá ficar pronto a tempo dos Jogos Olímpicos de 2016.

Essa foi uma das contrapartidas exigidas pela prefeitura para a cessão do terreno de 40 mil metros quadrados pelo prazo de 50 anos, renováveis por mais 50. O local também deverá ser utilizado como apoio para a Copa América de 2019, bem como ser utilizado pela rede pública de ensino.

O CT será construído em área privilegiada da cidade, mas afastado da parte mais urbanizada da Barra. Um dos motivos tem a ver com o tipo do solo, que passará nove meses por um processo de estabilização antes de começar a receber as primeiras construções.

O projeto do clube prevê a construção de três campos de futebol e um edifício com cinco andares, dois dos quais destinados a quartos individuais e suítes triplas para os jogadores - até 68 poderão ficar hospedados ao mesmo tempo. O CT terá ainda uma piscina de 25 metros, além de cozinha industrial, restaurantes e área para fisioterapia.

O projeto foi apresentado pelo presidente do clube, Peter Siemsen, pelo vice de futebol, Ricardo Tenório, e pelo vice de Projetos Especiais, Pedro Antônio Ribeiro da Silva, que será o grande responsável pela obra.

O montante de R$ 40 milhões é apenas uma previsão. "Ainda vai ser feito um orçamento mais detalhado, para termos uma noção melhor", afirmou Tenório. Pedro Antônio explicou que os só os custos de estabilização do solo poderiam chegar a R$ 24 milhões, mas que o clube "está negociando".

O Fluminense planeja levantar os valores em três frentes: marketing dirigido, doações de empresas com identificação com o clube e torcedores, mediante campanhas diferenciadas no momento da aquisição de ingressos para os jogos do time.

O CT levará o nome de Celso Barros, presidente da Unimed, que é parceira do clube desde 1999. Questionado sobre a possibilidade de a empresa investir também no CT, Peter Siemsen desconversou. "O nome do CT é uma homenagem a tudo que o Celso já fez pelo clube", afirmou. "O patrocínio (da Unimed) é focado no futebol."

Tudo o que sabemos sobre:
futebolFluminenseCT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.