Presidente do Grêmio apoia decisão de priorizar Gaúcho: 'Absolutamente correta'

Renato Gaúcho escalou os reservas contra o Guaraní, pela Libertadores

Estadao Conteudo

21 de abril de 2017 | 11h42

A polêmica decisão de Renato Gaúcho de priorizar a semifinal do Campeonato Gaúcho e escalar os reservas contra o Guaraní, em Assunção, nesta quinta-feira, pela Copa Libertadores, recebeu um importante aval: do presidente do clube, Romildo Bolzan Júnior.

Depois do empate por 1 a 1 no Paraguai, resultado que o manteve na liderança do Grupo 8, o Grêmio encara o Novo Hamburgo, fora de casa, no próximo domingo, após ter empatado o jogo de ida por 1 a 1. E, para Bolzan, a decisão de priorizar a partida de domingo foi "absolutamente correta".

"Essa estratégia (de poupar os titulares) deu muito certo porque, a meu ver, se tinha um time para sair vencedor aqui, era o Grêmio", avaliou o presidente do clube gaúcho. "O Grêmio mereceu vencer a partida. Então, dentro dessa situação, está absolutamente correto como foi encaminhado o jogo."

Questionado se a opção em escalar os reservas significava que o Grêmio pensava em quebrar a hegemonia do Internacional no Estadual, Bolzan respondeu que não era bem assim. "Significa apenas que o jogo mais importante da semana é contra o Novo Hamburgo", apontou. "Mas não significa que daqui para a frente priorizaremos o Campeonato Gaúcho. Semana que vem, depois de domingo (do jogo contra o Novo Hamburgo), analisaremos como nos comportaremos contra o próprio Guaraní."

Mas, ainda assim, ao desenvolver o raciocínio, o dirigente não escondeu o desejo de conquistar o Estadual - e de quebrar a hegemonia de seis títulos consecutivos do Inter. "Que é um desejo do Grêmio vencer o Campeonato Gaúcho, é, porque faz seis anos que não vencemos. Achamos importante recuperar essa hegemonia", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.