Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Presidente do Maracanã celebra acordo com o Flamengo para uso do estádio

Pelo acerto, o time fará ao menos 25 jogos por ano no local até 2020

Estadão Conteúdo

13 Junho 2018 | 13h58

O presidente do Maracanã, Mauro Darzé, comemorou nesta quarta-feira a parceria firmada com o Flamengo, que mandará seus jogos no estádio até o fim de 2020. Pelo acerto, o time fará ao menos 25 jogos por ano no local.

Flamengo fecha contrato com o Maracanã até 2020 e pode fazer mudanças no estádio

"Essa parceria consolida o desejo de ambas as partes em manter o estádio cada vez mais ativo, atraindo mais e mais torcedores, imprensa e visitantes", disse. "O acordo assegura, tanto ao clube quanto aos torcedores e patrocinadores, a previsibilidade de jogos e de receita para que todos possam se programar melhor", prosseguiu.

O contrato já será válido para esta temporada e tem duração até 31 de dezembro de 2020. Neste ano, o time deve fazer ao menos mais 11 jogos no local. O Flamengo terá liberdade para mexer nas cores e nas cadeiras do estádio. Os dirigentes estudam retirar os assentos dos setores Norte e Sul, onde geralmente ficam as organizadas.

O novo acordo prevê que a receita da bilheteria e do programa de sócio-torcedor fique integralmente com o clube. O Flamengo terá participação na comercialização de camarotes, alimentos e bebidas. Além disso, o clube poderá fazer ações de exploração comercial e de marketing no campo, na zona mista e no vestiário.

"Neste ano, já estávamos construindo esse acordo e o resultado é que, das dez maiores bilheterias do país até agora, quatro delas foram de partidas do Flamengo no Maracanã", afirmou Darzé.

A operação, a segurança e o fornecimento de demais serviços durante os jogos continuarão sob responsabilidade do clube - como já vem sendo feito. Cabe ao Maracanã manter o estádio com a manutenção em dia dando condições de uso para jogadores e torcedores.

Nos espaços VIP, o Flamengo terá direito a dez camarotes no setor Oeste e poderá usar o camarote Bossa Nova, que é o maior do estádio, no setor Leste. O clube ainda vai receber 40% da receita de 48 camarotes do local. A concessionária, por sua vez, vai explorar comercialmente os espaços do nível acima dos camarotes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.