Presidente do Palmeiras confia na conquista do título

'Pelo andar da carruagem, pode ser um ano de grande alegria', afirma Affonso Della Monica

Daniel Akstein Batista , O Estado de S. Paulo

22 de abril de 2008 | 19h32

Affonso Della Monica costuma economizar palavras e fugir da mídia. Prefere trabalhar na sua sala, quieto nos bastidores. E lá ele comemora a atual fase do time. Após vários anos sem formar uma equipe competitiva, o Palmeiras finalmente voltou a figurar entre os primeiros colocados, com reais chances de título. Todas as milionárias contratações realizadas no início do ano surtiram efeito. Em uma de suas poucas aparições em público - nem na apresentação dos reforços ele costuma aparecer -, o presidente mostrou otimismo. Veja também: Revoltado com gás, Muricy Ramalho critica Luxemburgo Majestoso e Palestra Itália confirmados na final do Paulistão TV ESTADÃO: debate sobre as finais do Paulistão Vote: qual time vai ser o campeão de 2008? "Acredito que pelo andar da carruagem pode ser um ano de grande alegria", confirmou Della Monica nesta terça-feira, na sede da Federação Paulista de Futebol (FPF), onde participou do Conselho Arbitral do Paulistão. "A gente vem perseguindo esse título [estadual] há muito tempo. Nesse ano fizemos um bom planejamento e trouxemos um grande técnico." Della Monica está confiante na conquista do título. Se ele vier, diz o cartola, o Palmeiras ganhará confiança para a seqüência da Copa do Brasil e também para o Campeonato Brasileiro. "O título vai fazer com que o time dê uma arrancada, tenho certeza", contou o presidente. "Mas se perder, não vai ter problema, nosso projeto é a médio e longo prazo." UM PASSO DE CADA VEZAntes de pensar na final do Paulistão, no entanto, o Palmeiras terá outras batalhas pela frente. A primeira é na quarta-feira, quando recebe o Sport no Palestra Itália, pelo jogo de ida das oitavas-de-final da Copa do Brasil - a volta será na semana que vem, no Recife. Contra o Sport, os jogadores palmeirenses esperam mais uma vez fazer do seu estádio a arma para derrotar um rival - foi assim no último domingo, nos 2 a 0 sobre o São Paulo, pelo Paulistão. "O Palestra é a nossa casa, um caldeirão", admitiu o zagueiro Henrique. "Não existe esse negócio de fantasma aqui para a gente, fantasma é para nossos adversários. A torcida sempre nos incentiva." Henrique até tem razão em falar da força do Palestra Itália. Afinal, ele chegou neste ano ao Palmeiras e nas cinco partidas que o time realizou no seu estádio, desde então, conquistou quatro vitórias e um empate. Bem diferente do ano passado, quando a equipe palmeirense foi eliminada da Copa do Brasil e perdeu a vaga na Libertadores quando jogou em casa. Na quinta-feira, o Palmeiras pede novamente o apoio da torcida e promete ir para cima do Sport. A tática palmeirense será construir o resultado já no primeiro jogo, para depois poder se concentrar nas finais do Paulistão. "Vai ser um jogo difícil, mas temos de fazer nossa parte", disse o volante/lateral Wendel.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.