Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Presidente do Palmeiras é denunciado por entrevista sobre 'Paulistinha'

Críticas à arbitragem da final do Campeonato Paulista levam Mauricio Galiotte a julgamento no TJD na próxima segunda-feira

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

02 Maio 2018 | 18h38

O Tribunal de Justiça Desportiva de São Paulo (TJD-SP) denunciou nesta quarta-feira o presidente do Palmeiras, Mauricio Galiotte, pelas declarações ao fim da decisão do Campeonato Paulista, contra o Corinthians, no dia 8 de abril, quando chamou o torneio de "manchado" e de "Paulistinha". O dirigente será julgado sobre o caso na tarde da próxima segunda-feira.

+ Willian diz torcer por eliminação do Boca

+ Adysson recebe cadeira com seu nome na arena

Galiotte foi enquadrado no artigo 258 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), que tipifica como infrações assumir condutas contrárias à disciplina e, especificamente, reclamar desrespeitosamente contra suas decisões. Para o caso de quem é dirigente, a suspensão varia de 15 a 180 dias.

O presidente atacou naquela ocasião o cancelamento de um pênalti marcado de Ralf em Dudu e reavaliado depois de oito minutos de paralisação. O Palmeiras afirma ter existido interferência externa e tem se mobilizado nos bastidores para questionar a decisão do árbitro Marcelo Aparecido de Soude voltar atrás na decisão.

Galiotte afirmou após a final que a conduta do árbitro estragou o campeonato. "O Palmeiras é muito maior do que o 'Paulistinha'. Não vamos ficar preocupados com uma situação absolutamente vergonhosa. O que esse senhor fez hoje (domingo) aqui foi uma vergonha. Depois de marcar a penalidade, ele teve uma reunião dentro de campo. Uma reunião! E aí o pênalti foi simplesmente anulado", disse.

O presidente do Palmeiras afirmou que a atuação da arbitragem naquela tarde foi um vexame. "Uma vergonha para nós, para o futebol brasileiro, para nós dirigentes. O que esperamos do futebol? Cobramos dirigentes, atletas, treinador, e agora? Como a gente faz? O que eu falo para meus jogadores no vestiário? É uma situação que revolta", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.