J.F Diório/Estadão
J.F Diório/Estadão

Presidente do Palmeiras sonda Alan Kardec, do Benfica

A falta de dinheiro é o maior empecilho para fechar com atacante de 24 anos

Daniel Batista, O Estado de São Paulo

30 de março de 2013 | 07h56

SÃO PAULO - A passagem de Paulo Nobre pela Europa pode render bons frutos ao Palmeiras no futuro. Chefe da delegação nos amistosos que a seleção brasileira realizou em Genebra e Londres, contra Itália e Rússia, o presidente do Alviverde aproveitou para dar uma parada em Portugal, para fazer uma visita ao Benfica. E sondou a situação do atacante Alan Kardec, de 24 anos.

O jornal português A Bola foi quem noticiou o encontro de Nobre com o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, e o interesse do clube no jogador.

"Alan Kardec é de fato um jogador muito interessante e, obviamente, falamos sobre ele, mas ainda não de forma concreta", disse Nobre ao diário esportivo de Lisboa.

José Carlos Brunoro, diretor executivo do clube, também confirmou a vontade do Palmeiras em contratar o atleta. "Ele interessa, mas ainda não abrimos negociação", contou o dirigente.

A falta de dinheiro é o maior empecilho para contratar Alan Kardec, que foi para o Benfica em 2010, sendo emprestado ao Santos no ano seguinte e voltando para Portugal em 2012.

Brunoro já avisou que o time precisa de atacantes, mas que o clube terá de achar maneiras para viabilizar suas contratações. Uma das alternativas para trazer Alan Kardec seria por empréstimo, já que ele tem contrato com o Benfica até junho de 2015.

Paulo Nobre diz que ainda é cedo para falar em negociação, até porque, segundo ele, o Palmeiras ainda não sabe qual o salário do jogador no Benfica.

Questionado sobre o atacante, Gilson Kleina afirmou que torce para que os clubes cheguem a um acordo, mas que não havia conversado sobre Alan Kardec com Paulo Nobre.

"Ele é um baita jogador, tomara que venha", afirmou o treinador. "Foi boa essa ida do presidente pra lá (Europa)", completou.

Tudo o que sabemos sobre:
palmeirasesportefutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.