Daniel Teixeira / Estadão Conteúdo
Daniel Teixeira / Estadão Conteúdo

Presidente do Palmeiras vai à sede da CBF e pede uso do VAR

Dirigente se reúne com cartolas da entidade e espera o uso da tecnologia no futebol

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

01 Outubro 2018 | 19h58

Mauricio Galiotte, presidente do Palmeiras, esteve na sede da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) nesta segunda-feira para reclamar mais uma vez de um erro de arbitragem contra seu time no Campeonato Brasileiro. No duelo de domingo contra o Cruzeiro, Gustavo Gomes fez uma falta fora da área, mas o juiz Dewson Fernando Freitas da Silva anotou pênalti.

O dirigente participou de algumas reuniões no Rio, conversou com Rogério Caboclo, futuro presidente da CBF, e com outros cartolas. A maior bronca, além do erro da arbitragem, é pela não utilização no Campeonato Brasileiro do VAR (Árbitro de Vídeo). No Conselho Arbitral que ocorreu em fevereiro, o Palmeiras votou a favor da implantação do sistema neste ano.

 

Na votação, 12 clubes (América-MG, Atlético-MG, Atlético-PR, Ceará, Corinthians, Cruzeiro, Fluminense, Paraná, Santos, Sport, Vasco e Vitória) foram contrários e sete favoráveis (Bahia, Botafogo, Chapecoense, Flamengo, Grêmio, Internacional e Palmeiras). O principal argumento de quem se posicionou contra foi o custo, que teria de ser bancado pelos clubes.

Para o Palmeiras, os cerca de R$ 50 mil por partida como mandante para a implantação do VAR não seria um problema, pois a renda líquida das partidas que faz em casa são bem altas. Como a realidade de muitas equipes não é essa, com rendas pequenas ou até prejuízos, a ideia não vingou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.