Presidente do Real Madrid reitera desejo por Cristiano Ronaldo

O presidente do Real Madrid, RamónCalderón, reiterou sua vontade de contratar o meia-atacanteCristiano Ronaldo, mas disse que o clube é apenas um meroespectador interessado na disputa entre o jogador e oManchester United. "É claro que queremos Cristiano, pela qualidade que eletem", disse Calderón em entrevista com o diário esportivoespanhol AS, nesta quarta-feira. "Mas há um problema contratual que deve ser resolvido entreo jogador e o Manchester e não por nós. Acontece que o jogadordisse publicamente que seu sonho é jogar pelo Real Madrid. Euouvi essas palavras com orgulho e satisfação, mas a saída deCristiano não depende somente dele", acrescentou. "Não fomos nós que construímos ou destruímos estacontratação. O Real é apenas um espectador nesta história". Calderón afirmou que o atual campeão espanhol não teriaproblemas para conseguir pagar a contratação de Ronaldo."Estamos em uma posição financeira muito saudável e podemosefetuar uma operação desta natureza sem que ela nosprejudique", afirmou. "Não queremos aparecer como o clube rico que quer gastardinheiro só para se mostrar, mas faríamos esta contratação poisela seria lucrativa." O técnico do Manchester United, Alex Ferguson, já declaroucategoricamente que Cristiano Ronaldo não deixará o clubeinglês. Calderón disse que a possibilidade de o Real Madrid nãoconseguir a contratação do português não atrapalharia oplanejamento do clube para a próxima temporada, e acrescentouque está perto de concluir a contratação do meia holandêsRafael van der Vaart, que está no Hamburgo. "Ele é um jogador que o (Bernd) Schuster e a equipe técnicagostam muito, e o acerto está próximo", disse. "Estamosesperando um acordo definitivo com o Hamburgo, mas não deveráser difícil." O Hamburgo disse na semana passada que havia rejeitado umaoferta de 7 milhões de euros (10,91 milhões de dólares) pelojogador, que tem contrato até 2010. (Reportagem de Simon Baskett)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.