Ivan Storti / Santos FC
Ivan Storti / Santos FC

Presidente do Santos ameaça ir à Fifa para impedir acerto entre Fla e Geuvânio

De acordo com o mandatário, existe uma cláusula que não permite a ida do jogador para outro time brasileiro

O Estado de S.Paulo

13 de junho de 2017 | 16h38

Praticamente fechada, a negociação entre Flamengo e o atacante Geuvânio pode ganhar um obstáculo. Nesta terça-feira, o presidente do Santos, Modesto Roma Júnior, prometeu ir à Fifa para impedir o acordo, caso ele seja de fato selado, por uma cláusula especificada no contrato de venda do jogador do clube paulista para o Tianjin Quanjian.

De acordo com Modesto, quando o Santos acertou a saída de Geuvânio para o Tianjin no início do ano passado, colocou uma cláusula que definia o próprio clube paulista como único destino possível para o jogador caso ele quebrasse o contrato de quatro anos com o time chinês para retornar ao Brasil.

Por isso, Modesto entende que um provável acerto entro Flamengo e Geuvânio feriria o contrato firmado entre o Tianjin e o Santos. "Com certeza, vamos à Fifa (se Geuvânio fechar com o time rubro-negro). Porque as questões de esporte se definem na Fifa", declarou em entrevista ao SporTV nesta terça.

O presidente santista explicou ainda que a cláusula estabelecida foi fundamental para que o clube aceitasse vender Geuvânio para o Tianjin. "Quando nós fizemos a negociação do Geuvânio, uma das cláusulas para que ele pudesse sair do Santos era que, no caso do retorno ao Brasil, ele exclusivamente retornaria ao Santos. Então, essa é uma cláusula contratual da qual o Santos não abre mão. Isso foi acertado com o atleta e com o clube chinês. Creio que não vai haver nenhuma dúvida quanto a isso."

Modesto não especificou se o Flamengo foi informado sobre a cláusula e negou qualquer possibilidade de ignorar a cláusula para que Geuvânio chegue ao time rubro-negro. Mais do que isso, o presidente não demonstrou ver com bons olhos um possível retorno do jogador à Vila Belmiro.

"Não vejo como (ele ir para o Flamengo). A cláusula não tem espaço para isso, é pétrea, e vamos seguir nisso", garantiu. "O Santos não tem que conversar com um atleta de um clube chinês. O Santos tem os seus direitos, mas tem que respeitar o contrato do Geuvânio com o clube chinês. Nós não vamos atravessar nem assediar o atleta, que está com contrato no clube chinês."

Tudo o que sabemos sobre:
FutebolSantosfutebolFlamengo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.