Ivan Storti / Santos FC
Ivan Storti / Santos FC

Presidente do Santos critica Conmebol e fala em paralisar a Libertadores

José Carlos Peres se mostrou revoltado com a decisão de punir o time pela escalação de Carlos Sánchez

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

28 Agosto 2018 | 18h59

José Carlos Peres, presidente do Santos, se mostrou revoltado com a decisão da Conmebol de punir o clube na Copa Libertadores pela escalação do meia Carlos Sánchez no jogo de ida contra o Independiente. Ele prometeu levar até as últimas consequências para garantir os direitos do clube brasileiro.

"Foi uma decisão política, injusta e lamentável. Não tenho a menor dúvida que o erro foi da Conmebol", reclamou o dirigente. "Vamos ao TAS, à Fifa e, se for possível, vamos paralisar essa competição porque ela está desmoralizada. Nós não seremos prejudicados e vamos lutar em todas as instâncias", continuou o dirigente.

Nesta terça-feira, a Conmebol decidiu punir o Santos por ter escalado o atleta diante do Independiente. Com isso, o placar da partida, que terminou 0 a 0, foi alterado para 3 a 0 para os argentinos e agora o Santos precisa superar o rival, na noite desta terça, no Pacaembu, por quatro ou mais gols de diferença para avançar na Libertadores. Se fizer 3 a 0, a decisão será nos pênaltis.

O dirigente aproveitou para rebater os argumentos de que as equipes nacionais estão fragilizadas nos bastidores por causa da pouca presença da Confederação Brasileira de Futebol na Conmebol. "Não podemos ser injustos com a CBF. Ela nos apoiou desde o primeiro momento", disse.

Ele também comentou que nenhum outro dirigente de clube ligou para ele, para mostrar apoio nessa disputa. "Lamentavelmente falta união entre os clubes e acho que já passou da hora de a gente se unir. Hoje quem está mandando na Conmebol são os argentinos", explicou Peres.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.