Ivan Storti/Santos FC
Ivan Storti/Santos FC

Presidente do Santos vê VAR desmoralizado e reclama de árbitro contra o Inter

'Querem institucionalizar o meio pênalti por meio do VAR', afirma José Carlos Peres

Redação, Estadão Conteúdo

27 de maio de 2019 | 15h20

O presidente do Santos, José Carlos Peres, mostrou nesta segunda-feira toda a sua indignação com o VAR (árbitro de vídeo) e a atuação do árbitro paranaense Rodolpho Toski no empate sem contra o Internacional, no domingo, no estádio da Vila Belmiro, em Santos, pelo Campeonato Brasileiro. O dirigente disse que a nova tecnologia do futebol já está desmoralizada e prometeu cobrar a Comissão de Arbitragem da CBF uma explicação sobre a escalação de Toski.

"No Arbitral da Federação Paulista de Futebol e da CBF, alertei que o VAR poderia se desmoralizar com o tempo. É uma coisa boa, mas que seria desmoralizada. Oficializa o erro do árbitro. Ontem (domingo) tivemos um pênalti escandaloso, temos imagens e vamos encaminhá-las à CBF. Absurdo, não existe meio pênalti. Querem institucionalizar o meio pênalti por meio do VAR", desabafou o presidente, durante a apresentação do atacante Marinho no CT Rei Pelé, em Santos.

Na entrevista, Peres relembrou que depois da eliminação do Santos na Copa do Brasil do ano passado, nos pênaltis para o Cruzeiro, em Belo Horizonte, o clube havia solicitado à CBF que Rodolpho Toski não apitasse mais nenhum jogo do time. "Esse árbitro já havia nos prejudicado. É uma vergonha que tenham escalado esse cara para a Vila Belmiro. Ganhávamos de 2 a 1 contra o Cruzeiro e, no último minuto, ele deu mais um (minuto de acréscimo). A bola bateu na barreira e sobrou para o Gabigol sozinho. Ele partiria para o ataque sem marcação. E ele apitou o fim. Má intenção. Não é desonesto, mas com má intenção. É esse meu desabafo. Vamos protestar junto à CBF, estamos montando (um dossiê) e encaminharemos imagens", disse.

"Não aturaremos mais esse tipo de coisa. Com times que gritam, eles (os árbitros) não mexem, gol mandrake é confirmado e oficializado pelo juiz. A gente não é idiota. Os clubes não são serventes, eles apitam e recebem salários junto aos clubes. Que respeitem os clubes sem olhar a camisa, mas para a Justiça. O que o árbitro fez foi criminoso ontem (domingo)", acrescentou o presidente.

O dirigente revelou que mais uma vez pedirá à Comissão de Arbitragem da CBF para que Toski não apite mais nenhum jogo do Santos. "Pedimos que vá para reciclagem, é arrogante. Que não volte a apitar os jogos do Santos. Entendo que é difícil, até porque se vetar tem um monte para não apitar. Temos que melhorar o nível. O VAR está desmoralizado, precisamos de seriedade. O Santos não quer gol roubado, o Santos quer justiça. Ganhar título na sacanagem vocês sabem quem gosta. O Santos quer ganhar limpo. O Santos nunca ganhou campeonato passando a mão. Que tenham a dignidade, desculpa o desabafo", completou.

Tudo o que sabemos sobre:
Santos Futebol Clubefutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.