Evelson de Freitas/Estadão
Evelson de Freitas/Estadão

Presidente do São Paulo exalta Ney Franco, mas não garante treinador

Juvenal Juvêncio fala bem do técnico sem, no entanto, confirmá-lo no posto nos próximos jogos

Paulo Favero, Agência Estado

15 de março de 2013 | 18h01

SÃO PAULO - A derrota desta quinta-feira para o Arsenal complicou a vida do São Paulo na Libertadores e aumentou a pressão sobre Ney Franco. No desembarque da equipe na capital paulista, nesta sexta-feira, o presidente Juvenal Juvêncio se pronunciou sobre o treinador, o elogiou bastante, mas não garantiu sua permanência até o fim do contrato, em dezembro.

Juvenal explicou que tem mantido essa conduta e que a permanência de um técnico só é garantida com resultados. "Se nem a Cúria Romana garantiu o (papa) Bento XVI, como vou garantir (a permanência de Ney Franco)? Tenho me escorado nisso", disse o presidente. Mesmo sem confirmar a continuidade do treinador no cargo, Juvenal fez questão de elogiar seu trabalho e apostou na recuperação da equipe na Libertadores. "O Ney é um profissional muito trabalhador e eu mantenho a nota 8 que dei para ele, mesmo após essa derrota diante do Arsenal."

A sequência do treinador no cargo pode depender da classificação para as oitavas de final da Libertadores. Atualmente, o São Paulo é o segundo colocado do Grupo 3 e estaria classificado, mas somou apenas quatro pontos em quatro jogos e vê a vaga em risco. O próprio presidente do clube admitiu a possibilidade de eliminação. "Não sei se classifica, espero que sim. Nem que para isso eu tenha de entrar em campo", brincou.

Entre os jogadores, o discurso foi de apoio a Ney Franco. Até mesmo o zagueiro Lúcio, que demonstrou irritação ao ser substituído na última quarta-feira e foi para o ônibus antes mesmo que seus companheiros deixassem o vestiário, elogiou o treinador e o ambiente no São Paulo. "O ambiente no grupo é bom, mas infelizmente não conseguimos a vitória", declarou. "Vou continuar trabalhando e se teve algum motivo para eu ser substituído vou tentar melhorar isso. Foi uma decisão do treinador e tenho de respeitar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.