Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Presidente do Sport irá à Justiça contra CBF e árbitro desta quarta

Corinthians venceu time de Recife com pênalti polêmico no fim

Estadão Conteúdo

13 de agosto de 2015 | 12h57

Indignado com o pênalti marcado por Luiz Flávio de Oliveira no final da partida contra o Corinthians, disputada na noite desta quarta-feira, no Itaquerão, o presidente do Sport, João Humberto Martorelli, anunciou na manhã desta quinta que o clube irá à Justiça contra o juiz e contra a CBF pelo fato de a entidade ter permitido que um trio de arbitragem paulista fosse escalado para o confronto válido pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O árbitro que conduziu o duelo que deu ao Corinthians a liderança provisória da competição nacional terminou em 4 a 3 para a equipe da casa, que marcou o seu quarto gol aos 41 minutos da etapa final, com Jadson, após pênalti polêmico marcado por Luiz Flávio de Oliveira quando o jogo estava empatado por 3 a 3. Ele apontou a marca penal depois de Guilherme Arana tentar fazer um cruzamento da esquerda e a bola bater no braço direito de Rithely, que vinha dando um carrinho com o braço em questão levantado.

"O Sport não vai se omitir diante do escândalo que vimos ontem, na Arena Corinthians. Vamos à Justiça buscar os nossos direitos. Estamos contratando um advogado para cuidar especificamente deste caso", afirmou João Humberto Martorelli, em entrevista ao site oficial do Sport, na qual depois avisou: "Nossa representação será contra a Confederação Brasileira de Futebol e, especialmente, contra a pessoa física do juiz Luiz Flávio de Oliveira. Queremos que os envolvidos sejam punidos pelos danos morais e financeiros causados pela desastrosa arbitragem no jogo de ontem".

O dirigente ainda lembrou que o Sport já havia se manifestado contra a escalação do trio de árbitros de São Paulo para este jogo contra o Corinthians. Na segunda-feira, o clube pernambucano prometeu protestar junto à CBF, embora na ocasião tenha admitido que dificilmente a entidade mudaria o trio de juízes do confronto.

"Quando soubemos que seria um trio de arbitragem paulista, logo nos posicionamos. Externamos nosso ponto de vista, citamos os perigos que uma decisão como essa trazia consigo, e os responsáveis fizeram ouvido de mercador", afirmou Martorelli, que ainda citou outros jogos em que o Sport teria sido prejudicado pela arbitragem neste Brasileirão.

"Este talvez tenha sido o episódio mais escandaloso do campeonato, mas em outras rodadas também fomos prejudicados. Posso citar vários jogos, como contra o Flamengo, no Maracanã, quando a lesão do Élber foi ignorada e, em seguida, sofremos o gol de empate. Contra o Santos, quando Ricardo Oliveira marcou um gol completamente impedido, na Vila Belmiro. E mais recentemente contra o Atlético-PR, quando o gol de empate saiu após o prazo dado pelo juiz para o encerramento do jogo", lembrou o presidente. "Repito: o Sport não fechará os olhos diante destas situações. Estamos nos movimentando e buscaremos nossos direitos", finalizou.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrasileirãoSport

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.