Shannon Stapleton/ Reuters
Shannon Stapleton/ Reuters

Presidente do Spotify quer comprar Arsenal e aposta em ídolos do clube para ganhar apoio da torcida

Bilionário sueco Daniel Ek prepara oferta pelo clube inglês após consultoria com Thierry Henry, Patrick Vieira e Dennis Bergkamp

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de maio de 2021 | 15h00

Ele se tornou bilionário revolucionando o mercado da música e agora sonha em assumir o clube do seu coração, o Arsenal: o sueco Daniel Ek, fundador e presidente do Spotify, parece disposto a entrar de cabeça no mundo do futebol. Aos 38 anos e líder de uma empresa que atualmente vale US$ 55 bilhões, Ek prepara uma oferta oficial para comprar o Arsenal, após o fiasco do projeto da Superliga Europeia, ao qual o atual proprietário do clube inglês, o americano Stan Kroenke, estava associado.

Para triunfar nessa nova investida, Ek procurou aliar-se a ex-jogadores do clube. Os franceses Thierry Henry, algoz da seleção brasileira na Copa do Mundo de 2006, e Patrick Vieira e o holandês Dennis Bergkamp fariam parte de um grupo de consultoria para o bilionário sueco.

"Ele nos contatou e nós o ouvimos", disse Henry à Sky Sports. "Ek quer restabelecer o DNA do Arsenal, a identidade que se perdeu há muito tempo. Seu objetivo é envolver os fãs em primeiro lugar, por isso nos encontramos com a associação de fãs para dizer que queríamos aproximá-los do debate."

Apesar de Stan Kroenke indicar que o clube não está à venda, crescem os rumores de que o negócio pode ser fechado. "Estou falando muito sério", disse Ek sobre a compra ao canal norte-americano CNBC. "Levantei os fundos para isso e vou apresentar aos proprietários o que considero uma oferta interessante e espero que me escutem."

Campeão inglês 13 vezes, sendo a última vez em 2004, o Arsenal vive um momento turbulento. Soma-se aos maus resultados esportivos do clube a polêmica decorrente do anúncio do lançamento da Superliga. Milhares de torcedores irritados chegaram a ir ao Emirates Stadium para expressar sua raiva pela decisão do clube de se associar a este projeto. Parte da torcida, que há muito tempo tem uma relação tensa com Stan Kroenke, pede a venda do clube.

E é justamente nos torcedores que está calcado o projeto de Ek. “Eu me concentro nos torcedores e em tentar colocar o clube no caminho da glória. Sou, antes de mais nada, um torcedor e quero que este clube faça melhor".

A história de vida de Ek chama atenção. Vindo de uma família operária, aos 23 anos, ganhou seu primeiro milhão de dólares vendendo a Advertigo, uma empresa de publicidade online. Depois, criou o Spotify, foi superando obstáculos e saiu do mercado sueco para outros países da Europa, antes de dar o salto para os Estados Unidos em 2011.

Quinze anos após sua fundação, o Spotify tem mais de 300 milhões de usuários ativos e quase metade das assinaturas pagas, lutando contra a concorrência de Amazon e Apple. Com 9,2% do capital da empresa – mas um terço dos direitos de voto de acordo com o relatório anual do Spotify – sua fortuna pessoal é estimada em quase US$ 5 bilhões, de acordo com a Forbes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.