Reprodução/Ponte Preta
Reprodução/Ponte Preta

Presidente do STJD nega liminar da Aparecidense e mantém julgamento

Tribunal anulou vitória da equipe goiana sobre a Ponte Preta, por interferência externa

Redação, Estadão Conteúdo

27 de fevereiro de 2019 | 22h38

A decisão inédita do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) em anular, por interferência externa, a vitória da Aparecidense sobre a Ponte Preta, por 1 a 0, vai ser mantida. Pelo menos até o seu julgamento. Esta foi a decisão do presidente Paulo César Salomão Filho nesta quarta-feira ao negar liminar pedida pelo clube goiano.

O objetivo da Aparecidense era suspender imediatamente os efeitos do julgamento realizado na semana passada pelo tribunal em Fortaleza (CE), que determinou a impugnação da partida ocorrida no dia 12 de fevereiro, em Aparecida de Goiânia (GO). A alegação é de que um dos auditores que participou da sessão era suplente.

O presidente foi enfático em sua decisão: "A convocação de Auditores de Comissões Disciplinares para honrar o Pleno do STJD é prática absolutamente antiga e reiterada, realizada por todos os presidentes que lhe antecederam, inexistindo notícia de que em qualquer tempo, qualquer dos jurisdicionados ou a Procuradoria Geral de Justiça Desportiva tenha questionado essa prática".

Apesar da liminar ter sido indeferida por Paulo César Salomão Filho, a Medida Inominada da Aparecidense deve entrar em pauta para julgamento na próxima sessão a ser agendada.

O jogo ficou paralisado por 16 minutos, a partir dos 44 minutos do segundo tempo quando a Ponte Preta marcou o gol de empate e que lhe daria a vaga na segunda fase. Mas o Tribunal entendeu que pessoas alheias ao jogo indicaram ao trio de arbitragem que o gol da Ponte Preta teria sido marcado em posição de impedimento. A arbitragem voltou atrás e, com a derrota, a Ponte acabou eliminada.

Mas o departamento jurídico do time paulista conseguiu provar a interferência externa e ganhou a votação de forma apertada. Após empate por 4 a 4, o voto de minerva foi dado pelo próprio presidente do STJD, deixando a votação em 5 a 4.

Os dois times devem se enfrentar novamente pela primeira fase da Copa do Brasil, num local, provavelmente neutro após a invasão e tumulto ocorridos no estádio Annibal Batista de Toledo. A expectativa, inclusive, é que o jogo aconteça na quinta-feira da semana que vem, dia 7 de março, em Goiânia (GO). Por estar mais bem colocada no ranking da CBF, a Ponte tem a vantagem do empate. Quem vencer vai enfrentar o Bragantino, no Pará.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.