Werther Santana/ Estadão
Werther Santana/ Estadão

Presidente do TJD diz que Corinthians perderá por W.O. se não entrar em campo

Antonio Olim disse que ofício enviado pelo clube trata-se de 'uma guerrinha entre times' e avisou que Tribunal cumprirá a lei

João Prata, O Estado de S.Paulo

11 de abril de 2019 | 13h33

O presidente do Tribunal de Justiça Desportiva de São Paulo, Antonio Olim, afirmou que o Corinthians perderá por W.O. se não entrar em campo na decisão do Campeonato Paulista. A declaração foi feita após o departamento jurídico do clube enviar ofício à Federação Paulista de Futebol e à Polícia Militar avisando que não jogará a final caso seu ônibus seja apedrejado a caminho do Morumbi.

"É uma guerrinha entre times", afirmou Olim ao Estado. "O Corinthians tem de entrar (em campo). Se não entrar, vai com derrota para o outro jogo. Vamos cumprir a lei. É W.O.. A não ser que aconteça um baita desastre, se machuque gente... Mas duvido que o Corinthians não conseguirá chegar ao estádio", declarou.

Olim disse que a responsabilidade pela segurança nos arredores do estádio é da Polícia Militar. "O Tribunal não vai se pronunciar sobre eventuais incidentes fora. Se for dentro, se houver briga entre torcedores dentro do estádio, aí tomaremos providências." 

A Polícia Militar se reunirá com a Federação Paulista de Futebol nesta sexta-feira para informar o número de policiais que fará a segurança e a estratégia que será adotada para evitar qualquer problema na chegada do Corinthians.

"Acredito que não haverá problema. A segurança será reforçada. E o torcedor o São Paulo não vai querer fazer nada, porque tem a volta, o time dele vai ter de jogar em Itaquera depois", comentou Olim.

O presidente do TJD também acredita que o Corinthians entrará em campo. "Não é perfil do clube nem do presidente fazer isso (não jogar). Não vai acontecer isso. O Corinthians não vai querer essa dor de cabeça."

"Repito, acho que é uma guerrinha de clubes para dar audiência. Vamos para o sério. O torcedor sabe que se for pego vai ter de tomar conta de bombeiro, ficar na porta de pronto socorro, porque essas têm sido as penas", declarou Olim.

O Corinthians enviou ofício porque seu ônibus foi apedrejado na chegada ao Morumbi nos dois últimos anos. Também foi alvejado em 2013 e em 2009. Na quarta-feira, torcedores do Palmeiras apedrejaram o ônibus do próprio clube. Ao ser questionado sobre esses episódios, Olim contemporizou.

"O Tribunal não pode fazer nada sobre isso. Nosso compromisso com segurança dentro do estádio. Se acontecer (de ser apedrejado), cada um cumpra sua palavra. Não tenho nada a ver com isso. A Polícia vai dar toda segurança. Acho que também o presidente do São Paulo vai pedir para seus torcedores respeitarem."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.