Presidente do Wigan é suspenso por comentários racistas

Dave Whelan terá de pagar multa, fazer curso sobre educação e ficar afastado por seis semanas por ofensas a judeus e chineses

Estadão Conteúdo

31 de dezembro de 2014 | 13h57

A Associação de Futebol da Inglaterra (FA, na sigla em inglês) anunciou nesta quarta-feira a suspensão do presidente do Wigan, Dave Whelan, de todas as atividades relacionadas ao futebol por seis semanas após o dirigente realizar comentários considerados ofensivos a judeus e chineses.

Whelan, de 78 anos, que aceitou a acusação de má conduta racista, também foi multado em 50 mil libras (aproximadamente R$ 207 mil), alertado sobre o seu comportamento futuro, além de ser obrigado a realizar um curso de educação. 

O dirigente tem sete dias para aceitar ou apelar contra a punição, que ficaria em suspenso até o resultado de um processo de apelação. A suspensão começa a valer imediatamente se ele decidir aceitar a punição.

Os comentários ofensivos foram feitos por Whelan em uma entrevista para um jornal, em novembro, ao defender seu decisão de nomear Malky Mackay como técnico do Wigan. Já Mackay ainda está sendo investigado pela FA por supostas mensagens de texto racista e antissemita enviadas quando era técnico do Cardiff.

Na segunda divisão do Campeonato Inglês, o Wigan faz péssima temporada e está em penúltimo lugar, com apenas 20 pontos somados em 24 rodadas, na zona de rebaixamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.