Presidente garante permanência de Neymar no Santos

Rendimento superior a R$ 1 milhão por mês, entre salário e receitas com campanhas publicitárias, dentro de pouco tempo, e 45 milhões de euros (R$ 102 milhões) daqui a quatro anos e meio. Essa montanha de dinheiro é o argumento do presidente Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro para convencer Neymar a permanecer no Santos, mesmo diante do assédio que cresce a cada dia para levá-lo para o futebol europeu.

SANCHES FILHO, Agência Estado

08 de abril de 2011 | 19h17

"O mais vantajoso para Neymar é cumprir o contrato com o Santos até dezembro de 2015 porque ele se tornará único dono dos direitos econômicos, que, pelo valor da multa, estão estipulados em 45 milhões de euros. Além disso, Neymar está feliz no Santos e pelas negociações em curso, dentro de pouco tempo serão assinados novos contratos de publicidade e o seu rendimento mensal ficará em torno de R$ 1 milhão", disse o dirigente.

"E isso vai acontecer quando Neymar estiver na flor da idade, com apenas 23 anos. Em 2015, ele também poderá assinar contrato por valores bem superiores porque já terá sido o segundo jogador brasileiro - o primeiro foi Pelé - a ser eleito o melhor do mundo sem ter deixado o país", acrescentou Luis Alvaro, confiante na futura premiação internacional.

Agora é a Juventus, da Itália, que promete levar Neymar na janela de julho. De acordo com a edição desta sexta do jornal italiano Corriere dello Sport, a oferta a ser apresentada brevemente aos santistas é de 30 milhões de euros (aproximadamente R$ 68 milhões).

Embora a proposta seja inferior ao valor oferecido pelo Chelsea no meio do ano passado - estava disposto a depositar a multa de 35 milhões de euros -, o clube italiano acredita que poderá contar com o forte apoio de sua parceira, a Nike, que também tem contrato com Neymar, e ainda ter a ajuda da agência de marketing esportivo 9nine, de Ronaldo.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolSantosNeymar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.