Fabrice Coffrini/ Divulgação
Fabrice Coffrini/ Divulgação

Presidente Infantino é alvo de investigação da Fifa, diz revista

Motivo da investigação é um empréstimo aprovado por Infantino em 2015

Jamil Chade, Estadão Conteúdo

05 de outubro de 2016 | 14h52

Pela segunda vez em oito meses no poder, o presidente da Fifa, Gianni Infantino, é investigado pelo Comitê de Ética da entidade. Agora, o motivo é um empréstimo que ele aprovou quando ainda estava na Uefa para a Federação de Futebol da Eslovênia, em 2015. Com o dinheiro, a entidade nacional comprou ações em uma empresa de apostas, a Sportna Loterija.

A informação foi revelada nesta quarta-feira pela revista norueguesa Josimar.

O empréstimo foi de 4 milhões de euros e, desse total, 3,6 milhões de euros foram usados na compra das ações. A verba, porém, deveria ter sido usado exclusivamente para desenvolver o futebol no pequeno país europeu.

O envio dos recursos foi aprovado pelo então presidente da Uefa, Michel Platini, e seu secretário-geral, Gianni Infantino. Segundo a revista, o empréstimo viola ainda o artigo 25 do código de ética da Fifa, que estipula que pessoas trabalhando na entidade não podem ter associação com apostas, nem de forma indireta e nem com ações.

Do outro lado da mesa, quem recebeu o dinheiro da Uefa foi o presidente da Federação da Eslovênia, Aleksander Ceferin. Hoje, ele é o novo presidente da Uefa e aliado de Infantino.

Segundo a Uefa, o empréstimo não teve nada de anormal e todo o dinheiro foi aprovado. Para a entidade, a compra de ações na empresa de loteria "fazia sentido do ponto de vista da estratégia do futebol".

Allan Hansen, membro do Comitê Financeiro da Uefa, é de outra opinião e insiste que seria impensável que seu organismo emprestasse dinheiro para que uma entidade comprasse ações. Seu departamento foi, segundo ele, marginalizado do processo de decisão.

O Comitê de Ética da Fifa se recusa a dar qualquer informação sobre o caso e nem nega e nem confirma a existência da investigação. Um processo formal, porém, apenas será aberto quando todas as informações chegarem até a Fifa.

Por enquanto, segundo a revista, o que existe é uma investigação preliminar para estabelecer os fatos. A informação do empréstimo assinado por Infantino para o novo presidente da Uefa, porém, chamou a atenção dos inspetores.

Em agosto, a Fifa também concluiu uma apuração sobre o uso irregular de jatos de empresários russos por Infantino. Mas optou por não punir seu presidente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.