Lucas Figueiredo / CBF
Lucas Figueiredo / CBF

Presidente interino da CBF promete novas práticas para evitar casos de assédio

Após confirmação de afastamento de Rogério Caboclo, Ednaldo Rodrigues quer ouvir pares para tomar medidas efetivas na entidade

Marcio Dolzan / RIO, O Estado de S.Paulo

30 de setembro de 2021 | 05h00

Presidente interino da Confederação Brasileira de Futebol desde 27 de agosto, Ednaldo Rodrigues seguirá no cargo após a confirmação do afastamento de Rogério Caboclo - mas não se sabe até quando. O dirigente é um dos oito vice-presidentes da entidade e poderá seguir na presidência até o fim da suspensão, mas também poderá ceder o cargo a qualquer outro dos vices em algum momento. Tudo dependerá de um acordo entre eles.

Ainda que ele venha reiterando em todas as suas entrevistas que qualquer decisão será tomada em conjunto entre seus pares da CBF, caberá ao dirigente dar a última palavra. Nos próximos meses, Ednaldo deverá referendar decisões que envolvem desde renegociações de contratos à formulação do calendário do futebol brasileiro. Mas, de mais urgente, precisará demonstrar na prática que a decisão da CBF de afastar seu principal cartola por denúncia de assédio se refletirá em novas práticas na entidade.

Após a Assembleia Geral confirmar a suspensão de 21 meses de Rogério Caboclo, Ednaldo Rodrigues prometeu trabalhar nisso. "A partir de agora nós vamos trabalhar, com os nossos colegas vice-presidentes, e ouvindo todas as federações, no sentido de adotarmos práticas que sejam sempre de combate a qualquer tipo de assédio ou discriminação", afirmou.

"Qualquer tipo de violência tem de ser combatida, principalmente a violência e discriminação que existe contra a mulher, em todos os segmentos, seja no futebol, seja na indústria, no comércio, na imprensa. Acho que a CBF demonstra neste momento, nesta decisão histórica e por unanimidade, de 27 presidentes de federações, que nesta casa não pode mais acontecer esse tipo de situação", sustentou.

Ednaldo Rodrigues é o sétimo presidente da CBF em dez anos. À exceção de dois interinos, quatro foram acusados pelos mais diversos desvios de conduta - de recebimento de propina, passando por conspiração e, agora, assédio. Indagado sobre como fazer para a CBF se recuperar do descrédito que atinge seus principais dirigentes, Ednaldo falou em ser "realista".

"É lógico que todos também ficam pensando: 'será que vai acontecer' (outro tipo de desvio de conduta)? A gente tem de ser realista e provar o contrário, com atitudes, com trabalho, com profissionalismo, e acima de tudo, com lisura e ética, para esse tipo de crime que aconteceu não volte a acontecer."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.