Ricardo Taves/Ag. Corinthians
Ricardo Taves/Ag. Corinthians

'Presidente sentia vergonha', diz Elias sobre salário atrasado

Volante diz que Corinthians ficou dez meses sem pagar elenco

O Estado de S.Paulo

28 de outubro de 2015 | 07h00

O volante Elias revelou que o Corinthians chegou a ficar com dez meses de direitos de imagem atrasados. Durante esse período, segundo o jogador, o presidente Roberto de Andrade sentia até vergonha de falar com os atletas. De acordo com Elias, Tite foi fundamental por conseguir manter os jogadores concentrados e fazer com que o time jogasse bem mesmo com os salários atrasados.

“Tite foi fundamental neste momento porque muitas outras equipes teriam largado. Dez meses de direitos de imagem atrasados é muito para um grande clube como o Corinthians, mas mesmo assim ele manteve a gente focado. Acreditamos também na diretoria, acreditamos muito no Roberto, que é uma pessoa fantástica. Já conheço ele há muito tempo. Ele sentia até vergonha de falar com a gente por conta dos salários atrasados, a gente sentia isso. Ele fez de tudo, correu ao máximo para poder quitar e hoje grande parte já está paga. A gente ficou muito feliz quando veio o anúncio de que iam nos pagar”, disse Elias em entrevista à ESPN.

Titular da seleção brasileira, Elias também reconheceu que não deu certo no futebol europeu, em grande parte, por sua culpa. O volante jogou no Sporting, de Portugal, e no Atlético de Madrid, da Espanha.

“50% da culpa foi minha. Eu assumo a minha responsabilidade. Os outros 50% foram por questões de treinador, sistema de jogo, atraso de salário. A minha parte eu assumo, eu poderia ter dado mais”, afirmou o jogador.

Elias tomou o terceiro cartão amarelo contra o Flamengo e está fora do jogo contra o Atlético-MG, domingo, em Belo Horizonte. A partida é considerada a “decisão” do Campeonato Brasileiro. O Corinthians lidera com 70 pontos, oito a mais do que o Atlético-MG, segundo colocado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.