Pressão no Guarani afugenta jogadores

A torcida do Guarani manifestou toda a sua insatisfação com o presidente José Luiz Lourencetti após o empate sem gols com o Bahia, domingo, no Brinco de Ouro. Enquanto ele jura que vai cumprir seu mandato até 2007, alguns jogadores estão deixando o clube. O zagueiro Paulo André tem uma proposta do futebol italiano, o volante Careca já definiu sua ida para o Paraná Clube e o zagueiro João Leonardo aguarda uma oferta irrecusável do Cruzeiro. O nome do clube italiano que negocia com Paulo André não foi divulgado, mas sabe-se que faz parte da Série A. Este clube pagaria cerca de 800 mil euros pelo atestado do zagueiro, conforme o empresário Cássio Silva. "A proposta já é de conhecimento da diretoria", confirmou ele. Há duas semanas, o bugrino fez testes no Glasgow Ranger, da Escócia, de onde espera receber uma proposta de trabalho. Com 21 anos, Paulo André foi um dos poucos destaques do time no Campeonato Paulista de 2005. O volante Careca só espera a liberação do Guarani para assinar com o Paraná. O caso de João Leonardo ainda não é tão sério, mesmo porque não existe uma oferta oficial. Enquanto alguns estão de saída, o técnico José Carlos Serrão espera por reforços. Já o presidente Lourencetti tenta achar uma solução para conter a fúria da torcida. Uma centena de torcedores se posicionou nos portões do estádio domingo com gritos de ordem no mínimo agressivos: "Gordo, ladrão, fora do Bugrão" e "Não é mole não, diretoria de terceira divisão".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.