AFP
AFP

Pressionado, Ricci apita Argentina x Paraguai. Culpa da Conmebol

Entidade quis afastar brasileiro por atuação ruim nas quartas de final

ALMIR LEITE E GONÇALO JÚNIOR / ENVIADOS ESPECIAIS A SANTIAGO E CONCEPCIÓN (CHILE), O Estado de S.Paulo

30 de junho de 2015 | 14h08

Mais do que nunca pressionado, o árbitro brasileiro Sandro Meira Ricci apitará a semifinal da Copa América entre Argentina e Paraguai nesta quarta-feira. A Conmebol, que cogitou não escalá-lo, repensou sua decisão. O jogo será disputado em Concepción, às 20h30. Ricci foi o árbitro que expulsou o uruguaio Cavani no lance cujas imagens correram o mundo: a "mão boba" de Jara.

O chileno, que fez uma encenação, ficou em campo. O uruguaio, não. A jogada polêmica aconteceu nas quartas de final entre Chile e Uruguai, quarta-feira, com classificação do time anfitrião.

Os uruguaios, de jogadores a dirigentes, protestaram no dia seguinte à eliminação (derrota por 1 a 0). Ricci foi bombardeado. E surgiu a notícia, divulgada pela imprensa mundial, de que ele havia sido barrado pela Conmebol e não apitaria mais na Copa América. A Conmebol, no entanto, não se pronunciou oficialmente. Mas no domingo, a entidade surpreendeu e anunciou que Ricci apitaria a semifinal desta terça-feira. Vieram mais críticas, agora por parte dos argentinos, que temem que Ricci esteja premeditado a 'amarelar' Messi (o argentino está pendurado).

O Estado apurou que a comissão de arbitragem da Conmebol reprovou a atuação de Ricci na partida entre Chile e Uruguai. Na avaliação dos dirigentes, o arbitro foi "dominado" por jogadores do Uruguai e do Chile, perdendo o controle do jogo. Porém, a Conmebol fez a seguinte avaliação. Afastar Ricci criaria uma saia justa com todos os demais árbitros, que defenderam o brasileiro. Ou seja: uma decisão como essa a Conmebol colocaria toda a arbitragem em xeque.

Além disso, sem Ricci, a entidade perderia uma opção para a apitar a semifinal. O brasileiro é visto como um árbitro mais preparado do que outros juízes de países sem grande expressão no futebol. Mas a indecisão, que se arrastou por quatro dias, levou a Conmebol a cometer uma gafe. Por alguns minutos, a entidade chegou a anunciar o nome do equatoriano Carlos Vera para apitar a semifinal desta quarta. O 'anúncio' foi feito pelo Twitter. Depois, veio um pedido de desculpas e a notícia oficial que Ricci seria o escolhido.

Tudo o que sabemos sobre:
Copa AméricaCavaniJaraMessiConmebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.