Vitor Silva/ SSPress/ Botafogo
Vitor Silva/ SSPress/ Botafogo

Pressionado, Botafogo encara o São Paulo de olho em vaga na Copa Libertadores

Equipe vem de duas derrotas consecutivas e precisa vencer para seguir na zona de classificação

Estadao Conteudo

19 Novembro 2017 | 08h46

Com três derrotas e um empate nos últimos cinco jogos, o Botafogo precisa reencontrar o caminho das vitórias para garantir uma das vagas na Copa Libertadores de 2018. Neste domingo, às 17 horas, enfrenta o São Paulo, no estádio do Pacaembu, na capital paulista, pela 36.ª rodada do Campeonato Brasileiro.

+ Grupo de torcedores invade Engenhão e Botafogo cancela treinamento neste sábado

+ Sem sua principal peça, São Paulo recebe o Botafogo no Pacaembu

Com duas derrotas consecutivas - 1 a 0 para o Atlético Paranaense e 2 a 1 para o Atlético Goianiense -, o Botafogo estacionou nos 51 pontos, cinco atrás do Santos, o quarto colocado. Olhando para baixo, o rival Vasco aparece na cola, com 50 pontos e 11 jogos de invencibilidade. O Flamengo também tem 50 pontos. Restando nove em disputa, é preciso vencer para seguir na zona de classificação à Libertadores.

Na última sexta-feira, durante a reapresentação do elenco, protestos da torcida atrapalharam os planos do técnico Jair Ventura e os titulares fizeram apenas trabalho regenerativo. O volante Bruno Silva, vaiado no jogo passado, deu entrevista ao lado do presidente Carlos Eduardo Pereira para se desculpar com a torcida, irritada com um gesto do jogador na derrota para o Atlético Goianiense. Ele chegou a sinalizar que deixaria o clube.

Sem nenhum trabalho com bola, Jair Ventura não deu indícios sobre o time que começa jogando. A presença de Bruno Silva entre os titulares, porém, é dúvida. Marcos Vinícius e Guilherme podem perder as suas posições para Rodrigo Pimpão e Leonardo Valencia, respectivamente.

O próprio Jair Ventura tenta deixar tudo em dúvida, começando a falar sobre a situação de Bruno Silva. "Claro que ele estava com a cabeça quente naquele momento do jogo. Mas é um grande jogador. Não deu tempo da gente se recuperar, afinal tivemos um ano muito cansativo, disputando várias competições importantes. Vou esperar uma avaliação de todo o grupo para definir quem começa jogando", comentou o técnico, em tom de tranquilidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.