Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Pressionado, Klinsmann pode voltar para a Alemanha

Após várias críticas de políticos, dirigentes e até de Franz Beckenbauer (o grande ídolo do futebol alemão), a situação de Jürgen Klinsmann à frente da seleção da Alemanha fica cada vez mais complicada. Nesta sexta-feira, o presidente da Federação Alemã de Futebol (DFB), Theo Zwanziger, garantiu que confia no trabalho do treinador, mas vai pedir para que ele mude para o país - Klinsmann mora atualmente nos Estados Unidos.?Estou seguro que podemos convencer Jürgen Klinsmann que as pessoas querem que ele fique mais aqui (na Alemanha)?, afirmou Zwanziger. "Acho que ele percebeu que tem responsabilidades sobre o trabalho tático e esportivo das seleção. Sobre isso, vamos ter uma conversa entre quatro paredes. Mas não diante da mídia."O presidente da DFB voltou a dizer que não há nenhuma discussão sobre a saída de Klinsmann, que foi jogador da Alemanha na conquista da Copa de 90. ?Temos uma clara expectativa e ele sabe disso também. Precisamos dele. Ele alcançou muito com a seleção e ficou muito apegado à equipe?, revelou Zwanziger. ?Acredito que ele também saiba que as pessoas esperam muito dele, e querem um sinal.?Para o dirigente, Klinsmann precisa também aprender com todo esta crise. ?Ele é jovem e não é alguém muito maleável, tem seus conceitos. É difícil, mas deve estar preparado para aprender com isso tudo. Como técnico da seleção, não se trabalha sem pressão?, avisou.Em baixa - Além da conversa com Zwanziger, Klinsmann não terá vida fácil daqui até a Copa. Seu ex-companheiro de seleção, Stefan Effenberg, já pediu sua saída no meio de semana. Agora, parece que o apoio dos torcedores começou a cair. Na última pesquisa do Instituto Wahlen, apenas 43% dos entrevistados disseram confiar no técnico. Já 31% acham que ele é o homem errado para o cargo, enquanto 26% não opinaram.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.