Pressionado, Pelaipe descarta pedir demissão no Fla

O diretor executivo do Flamengo, Paulo Pelaipe, disse que não vai pedir demissão do cargo e permanecerá no clube até o fim do seu contrato, em dezembro. Ele vem recebendo pressão de dirigentes, conselheiros e torcedores para que vá embora, pois é tido para muitos como um dos grandes responsáveis pela péssima fase flamenguista no Campeonato Brasileiro - a equipe está sob ameaça de rebaixamento.

AE, Agência Estado

27 de setembro de 2013 | 19h26

Nesta sexta-feira, Pelaipe ressaltou que a diretoria tem total autonomia para demiti-lo, mas que ele não vai se afastar por conta própria. Endossou que não há multa rescisória no contrato. E salientou que o discurso no clube há meses é de que o ano seria de muita dificuldade.

"É exatamente o que está acontecendo. Não há surpresas. O Flamengo está lidando com tantas obrigações que seria impossível o futebol não sofrer com isso", declarou o dirigente. Pelaipe também revelou que tem dado apoio à comissão técnica e aos jogadores e que isso é uma atribuição sua, a qual não deixa de cumprir.

O Flamengo enfrenta neste domingo o Criciúma, no Maracanã. O time carioca está apenas com dois pontos a mais que o adversário catarinense, que é o 17º colocado do Campeonato Brasileiro e, portanto, o que encabeça a relação dos que ocupam a zona de rebaixamento.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolFlamengoPaulo Pelaipe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.