Ivan Storti/ Santos FC
Ivan Storti/ Santos FC

Pressionado e ameaçado de cair, Santos tem semana decisiva para definir futuro no Paulistão

Equipe alvinegra ainda tem pela frente jogos contra Ferroviária e Água Santa pela primeira fase do Estadual

Redação, O Estado de S.Paulo

14 de março de 2022 | 05h00

Depois da derrota no clássico com o Palmeiras, o Santos inicia nesta segunda-feira uma semana decisiva para suas pretensões no Paulistão. O time da Vila Belmiro ainda corre risco de rebaixamento, mas terá chances de escapar e até de se classificar às quartas de final.

Sob pressão, o Santos depende apenas de si mesmo para avançar no Estadual. Uma vitória sobre a Ferroviária, na quarta, elimina as chances de queda e deixa a equipe mais perto da classificação. A comissão técnica não quer repetir o drama do ano passado, quando correu risco de descenso até os últimos instantes da primeira fase.

Com 10 pontos, o time ocupa o terceiro lugar do Grupo C. Está atrás do Red Bull Bragantino (19 pontos), já classificado, e do Santo André (12). No entanto, tem um jogo a menos que os rivais da sua chave por conta do jogo adiado contra a Ferroviária. No domingo, na rodada final, receberá o Água Santa na Vila Belmiro.

Se vencer os dois jogos restantes, o Santos se classifica às quartas e espanta a sombra do rebaixamento. No entanto, é possível evitar a queda e não conseguir a vaga nas quartas. Para alguns torcedores, diante das fragilidades da equipe, é melhor escapar do descenso e não alcançar as quartas.

Parte da torcida quer ver o Santos treinando com mais tempo para o Brasileirão, de forma a evitar sustos também na competição nacional. Isso porque o técnico argentino Fabian Bustos acabou de chegar ao clube e ainda não teve tempo para conhecer bem o elenco e resolver os problemas da equipe.

"Há esse dilema entre classificar e ter mais tempo para trabalhar", admite o treinador, que evita assumir um lado. No entanto, ele indica que o Santos tem chances remotas de brigar pelo título estadual. Ao fim do clássico com o Palmeiras, ele admitiu as disparidades entre os dois times.   

"Cremos que com trabalho e muito esforço, podemos mudar essa situação. A torcida quer ganhar sempre, quer que nos classifiquemos, que possamos chegar às quartas, às semifinais. Nós também queremos ser competitivos, lembramos da história dessa camisa. Queremos classificar. Me parece que a balança pesa sempre mais para conseguir o resultado positivo", declarou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.