Érico Leonan / São Paulo
Érico Leonan / São Paulo

Prestes a estrear no São Paulo, Bruno Peres coleciona polêmicas extracampo

Lateral acionou o Santos na Justiça depois de ir para a Itália, onde bateu dois carros de luxo

Renan Cacioli, O Estado de S. Paulo

28 de julho de 2018 | 05h00

Relacionado pela primeira vez pelo técnico Diego Aguirre, o lateral-direito Bruno Peres poderá fazer sua estreia pelo São Paulo neste domingo, contra o Cruzeiro, às 16h, no Mineirão. Após cinco anos fora do País, será o reencontro dele também com o futebol brasileiro. Conhecido do torcedor por sua passagem pelo Santos, o jogador de 28 anos traz algumas polêmicas no currículo fora das quatro linhas.

+ Com Bruno Peres e zagueiro 'aspirante', Aguirre relaciona 22 no São Paulo

+ Podcas do São Paulo: lições e desafios da derrota no Sul

+ Confira a tabela do Campeonato Brasileiro

Na Vila Belmiro, onde ficou de 2012 até o fim do primeiro semestre de 2014, o jogador não teve desempenho tão destacado assim. Ganhou apenas um título, a Recopa Sul-Americana de 2012. Chegou, inclusive, a ser criticado pela torcida santista durante sua permanência no clube, do qual saiu após arrastada negociação com o Torino-ITA.

Quando já estava na Itália, em 2015, acionou o ex-clube na Justiça por atraso de pagamentos de direitos de imagem, que totalizavam cerca de R$ 286 mil. A empresa que intermediou a venda também cobrou do Santos – que chegou a ter conta bloqueada posteriormente em razão do processo.

Foi na Europa, também, que o lateral se envolveu em dois acidentes de carro. No primeiro, ainda quando era jogador do Torino, em 2016, bateu um Porsche alugado em dois postes. A polícia italiana multou o jogador por dirigir com uma carteira de motorista inválida, já que ele utilizava a documentação brasileira. 

Já em fevereiro deste ano, quando defendia a Roma, bateu uma Lamborghini no muro. Além do estrago no automóvel, acabou suspenso pelo clube de um jogo pelo campeonato local como forma de punição. Ele ainda perdeu a habilitação por ter falhado no teste do bafômetro, segundo noticiou à época a agência de notícias Ansa.

Estreia antes da hora. A ideia de Aguirre era começar a relacionar o jogador a partir da próxima semana, mas a falta de opção para a posição obrigou o uruguaio a queimar etapas. Sem Militão, suspenso, o treinador só conta com Bruno como lateral. Outra possibilidade seria improvisar o volante Araruna, algo que já aconteceu algumas vezes no São Paulo.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.