Giuliano Gomes/ Reuters/ 3-10-2018
Giuliano Gomes/ Reuters/ 3-10-2018

Prestes a ganhar novo escudo, Atlético-PR inicia luta por título

Time brasileiro, que terá nome e cores mantidos, encara o Junior Barranquilla pela final da Copa Sul-Americana

Renan Cacioli, O Estado de S. Paulo

05 Dezembro 2018 | 05h00

O Atlético-PR joga na noite desta quarta-feira a primeira partida da final da Copa Sul-Americana contra o Junior Barranquilla, às 22h45 (de Brasília), no Estádio Metropolitano, na Colômbia, tentando utilizar o sucesso de um possível primeiro grande título internacional para simbolizar a nova mudança da identidade visual do clube, prevista para ser votada em reunião do Conselho Deliberativo, no próximo sábado.

Mario Celso Petraglia, presidente do conselho, convocou o encontro para tratar sobre a alteração de símbolos, distintivos e uniformes do clube. Em entrevistas recentes, citou até uma possível alteração no nome da agremiação, que passaria a ser apenas "Paranaense".

A reportagem do Estado apurou, porém, que o projeto a ser apresentado à imprensa no dia 11, véspera do segundo duelo da final da Sul-Americana, na Arena da Baixada, prevê intervenções bem menos drásticas. Tanto o nome quanto as cores do Atlético-PR serão mantidos. 

A principal mudança se dará no escudo, algo que não chega a ser novidade na história do clube. Inspirado no distintivo do Flamengo, o original, de 1924, sofreu várias alterações ao longo do tempo, sendo duas mais significativas: em 1988, quando as faixas deixaram de ser horizontais para ficarem dispostas verticalmente, e em 1997, quando o seu símbolo ganhou o formato conhecido atualmente. Para que se possa mexer na identidade visual do clube, são necessários os votos de dois terços dos conselheiros. Independentemente da aprovação, a estreia não deverá ser no jogo da próxima semana, até por falta de tempo.

"Eles estão tentando encontrar um posicionamento mais diferenciado dos demais clubes do Brasil, e isso é saudável. O torcedor mais tradicional vai se ressentir, mas o Atlético-PR tem essa questão da vanguarda e já passou por mudanças outras vezes", analisa Carlos Eduardo Caruso, CEO da CSM Golden Goal, empresa especializada em gestão e marketing esportivo. "O que eles estão tentando fazer é revitalizar a marca, algo natural no mercado", completa Caruso.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.