Prestigiado, Geninho ameaça "intocáveis"

Chega a ser constrangedor presenciar as entrevistas do técnico Geninho. O esforço que faz para transmitir a impressão de que a situação não é tão ruim como parece nos bastidores do Corinthians o desgasta. Há tempos o treinador não sabe o que é um sorriso. A pressão é tamanha que, embora respaldado (por enquanto), dá indícios de que tomará atitudes mais drásticas. O alvo são as estrelas, sobretudo os atacantes Liedson e Gil. Cansado de ser apontado como responsável pela má campanha da equipe no Campeonato Brasileiro (perdeu ontem, em casa, para o Figueirense e caiu para a 11.ª posição), o treinador afirmou hoje que vai estudar possíveis mudanças no time. "Reconheço que o rendimento de alguns atletas está abaixo da média", comentou, ao ser questionado especificamente sobre a dupla de ataque. "Ninguém tem vaga garantida entre os titulares. E se tivermos de mudar, vamos mudar, aproveitar mais essa garotada." Máscara - E o alvo das reclamações não é apenas o ataque. O lateral-esquerdo Kleber, por exemplo, já vem sendo questionado há algum tempo. Diretores, companheiros de clube e comissão técnica concordam que seu futebol caiu drasticamente. Como se não bastasse, sua passagem pela seleção brasileira foi medíocre. Até mesmo fora do campo o jogador tem se mostrado arredio. Hoje, por exemplo, negou-se a falar e deixou a assessoria de Imprensa em situação constrangedora. Geninho vai manter as "estrelas" na partida de domingo, no Mineirão, diante do Atlético-MG. Espera que com a estréia de André Luiz e com a volta do zagueiro Ânderson, que estava machucado, a equipe consiga melhorar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.