Preto sofre ameaças de torcedores

"Espero que isso não volte a acontecer", disse hoje o zagueiro Preto a respeito da tentativa de agressão que foi vítima logo depois do empate por três gols contra o Inter, ontem à noite, pela Copa do Brasil. Ele deixava a Vila Belmiro quando foi abordado por quatro torcedores e a polícia militar teve que usar bombas de gás lacrimogênio para conter os manifestantes. "Já fui ameaçado e estou trocando o número de meu telefone", disse ele, revelando estar "muito chateado com o que aconteceu". Hoje, ele pensava apenas no jogo contra o Americano, sábado, em Campos. "Uma coisa dessas mexe com a cabeça da gente, mas isso não deve afetar meu futebol sábado". O atacante Oséas lamentou o incidente: "o torcedor pode vaiar, protestar, mas não agredir". Ele ressaltou que seu time havia empatado com o Inter, "num jogo difícil e contra um adversário dos mais fortes do futebol brasileiro". Fora isso, os jogadores tiveram reunião de 40 minutos com o técnico Celso Roth, em que foi discutida a atuação do time no empate da véspera. O treinador destacou os erros coletivos que observou na partida e que acabaram resultando nos três gols do adversário. "O Santos fez um bom jogo, sempre procurou o gol, mas apresentou desequilíbrio, desatenção e erros coletivos, principalmente nos lances que resultaram nos gols do Inter". Celso Roth não confirma alterações na equipe para o jogo de sábado contra o Americano, em Campos, mas poderá fazer algumas substituições. Os nomes mais cotados para entrar no time eram Renatinho, Diego e André Luís e isso poderá ser decidido no treino programado para amanhã. Desde hoje, a preocupação é com o Americano e também com a epidemia de dengue que assola o Rio de Janeiro. "Estou preocupado é com o Americano", disse Oséas. "Quanto ao mosquito, a gente passa um repelente e está tudo bem". A preocupação com o time carioca, porém, parece ser relativa. Enquanto o Santos ainda não venceu fora de casa nesta temporada, o adversário está muito mal no Rio-São Paulo; em sete partidas, conseguiu apenas dois empates e amarga cinco derrotas. "Mesmo assim, merece respeito", completou Oséas. A dengue preocupa a comissão técnica, que reservou apartamentos nos andares mais altos do hotel e levará na bagagem repelentes conta os mosquitos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.