Problema político faz Dínamo x Valencia ser tranferido para o Chipre

Já chega a 25 o número de mortos na ucrânia durante confrontos entre manifestantes antigoverno e as forças de segurança

Agência Estado

19 de fevereiro de 2014 | 11h17

VALÊNCIA - O presidente do Valencia, Amadeo Salvo, anunciou nesta quarta-feira que o clube espanhol foi comunicado pela Uefa com a notícia de que o jogo que o time fará contra o Dínamo de Kiev, nesta quinta, pela Liga Europa, foi transferido da Ucrânia para o Chipre, em razão do conflitos civis que estão ocorrendo na capital ucraniana.

Já chegou a 25 o número de mortos contabilizados durante confrontos entre manifestantes antigoverno e as forças de segurança ocorridos na última terça-feira no centro de Kiev. Segundo o Ministério do Interior e da Saúde da Ucrânia, outras 241 pessoas sofreram ferimentos e foram hospitalizadas, entre elas 79 policiais e cinco jornalistas. Os confrontos continuaram ao longo da última madrugada na Praça da Independência (Maidan), que segue cercada pelos policiais.

Por causa desta situação caótica em Kiev, a Uefa acabou deslocando o duelo desta quinta-feira para a cidade de Nicósia, no Chipre. "Era muito complicado jogar em Kiev. Nos garantiram a segurança, mas há muitos imprevistos que não se podem controlar e o melhor é jogar em um campo neutro. Estamos satisfeitos. Prevaleceu o senso comum e a cordialidade de todas as partes, da Uefa, do Dínamo de Kiev e também do Valencia", afirmou Amadeo Salvo, nesta quarta-feira.

O dirigente lamentou, porém, pelos torcedores do Valencia que foram ou iriam até Kiev para acompanhar de perto o jogo do time espanhol. "Sentimos muitos pelos valencianos que iriam com sua melhor vontade de animar o clube que amam, para nos dar calor, e que gastaram seu tempo e seu dinheiro. A única coisa que podemos fazer é agradecer e seguir em contato. Esperemos que tenham a possibilidade de ver o Valência (no Chipre)", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.