Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

'Problemas são sociais, não do futebol', diz Blatter

Presidente da Fifa diz que entidade não tem ligação com os protestos pelo Brasil

JAMIL CHADE E LEONARDO MAIA, Agência Estado

26 de junho de 2013 | 13h53

(Atuallizado às 20h39) RIO - O presidente da Fifa, Joseph Blatter, partiu para o contra-ataque: a entidade não tem qualquer relação com as manifestações que ganharam as ruas do Brasil nos últimos dias e insiste que o problema é do País. "São problemas sociais internos do Brasil, não do futebol", disse o dirigente suíço. O cartola desembarcou no Rio nesta quarta-feira, depois de ficar sete dias fora do Brasil. Blatter esteve no jogo entre Brasil e Uruguai, em Belo Horizonte. Mas, num amplo esquema de segurança, preferiu permanecer até pouco depois das 13 horas em seu hotel em Copacabana.

Ao deixar o hotel em direção ao aeroporto, onde embarcou em um avião privado, Blatter foi categórico: "Me sinto muito seguro". "O futebol só traz alegria, nunca é o alvo", insistiu o presidente da Fifa Blatter, em rápida entrevista. "O futebol traz a alegria não apenas ao Brasil, mas ao mundo." Blatter e todos os funcionários da Fifa têm adotado o discurso de se distanciar dos problemas e das críticas das ruas, ainda que na prática muitos dos protestos tenham a própria entidade e a Copa das Confederações e a Copa do Mundo de 2014 como alvo dos ataques.

SEGURANÇA

Apesar de garantir que não tem problemas com sua segurança, Blatter foi nesta quarta-feira ao jogo no Mineirão em um verdadeiro esquema de guerra. Para sair do hotel, seu cortejo contou com seis carros, todos blindados. Além disso, quatro motos da polícia escoltaram a delegação do presidente da Fifa até o aeroporto, onde embarcou em um avião privado.

Quando a comitiva saiu do hotel e pegou a Avenida Atlântica, a polícia fechou semáforos e a própria rua por alguns instantes. Num dos cruzamentos, um motorista retirou seu capacete e aplaudiu o cortejo de forma irônica. Em Belo Horizonte, Blatter foi diretamente ao estádio e, de lá, voltaria diretamente ao Rio. Nesta quinta-feira, ele fará o mesmo esquema para acompanhar a outra semifinal da Copa das Confederações, entre Espanha e Itália, em Fortaleza.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.