Processado por tragédia da Fonte Nova se defende

Nilo dos Santos Jr. alega ter alertado a direção da Sudesb sobre o risco no anel superior do estádio

Tiago Décimo, O Estado de S. Paulo

05 de março de 2008 | 20h51

O engenheiro Nilo dos Santos Júnior, ex-diretor de Operações da Superintendência de Desportos da Bahia (Sudesb), denunciado pelo Ministério Público como co-autor de homicídio culposo (sem intenção) no caso da tragédia da Fonte Nova - quando sete pessoas morreram após o desabamento de uma parte do anel superior do estádio, em 25 de novembro, em Salvador -, conversou na tarde desta quarta-feira informalmente com o promotor do caso, Nivaldo Aquino. A conversa, segundo Santos Júnior, foi pedida para que ele pudesse apresentar mais documentos que, acredita, o livrariam da acusação, que responde junto com o diretor-geral da Sudesb, Raimundo Nonato da Silva, o ex-jogador Bobô. Ele alega ter alertado a direção da superintendência sobre os riscos de liberar o anel superior da Fonte Nova ao público. O engenheiro, porém, foi informado pelo promotor que não poderia modificar a denúncia, já encaminhada ao Tribunal de Justiça da Bahia, que deve distribuí-la a alguma vara de Salvador nos próximos dias. O outro acusado, Bobô, ainda não se pronunciou sobre o caso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.