Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

Processo contra presidente do Corinthians e Andrés Sanchez chega ao STF

Dirigentes são acusados de não recolher impostos corretamente 

RAPHAEL RAMOS, O Estado de S. Paulo

24 de junho de 2015 | 18h41

Chegou na terça-feira ao Supremo Tribunal Federal (STF) processo movido pelo Ministério Público Federal contra quatro dirigentes do Corinthians: o presidente Roberto de Andrade, o vice-presidente André Negão, o superintendente de futebol e deputado federal Andrés Sanchez e o ex-diretor financeiro Raul Corrêa.

O quarteto é acusado de crimes contra o patrimônio e apropriação indébita previdenciária por não recolher impostos corretamente. O processo tem 588 folhas e será julgado pelo ministro Roberto Barroso.

No ano passado, a Justiça federal aceitou denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal e o valor do débito, incluindo juros e correção monetária, era de R$ 94,3 milhões. O clube não teria pago impostos referentes aos vencimentos de funcionários, empresas terceirizadas e prestadores de serviço. A diretoria do Corinthians, então, anunciou que foi feito um acordo com um plano de pagamento parcelado.

O clube desembolsou R$ 15 milhões à vista e parcelou o restante durante 15 anos, com parcelas mensais de aproximadamente R$ 450 mil. "Estamos cumprindo o acordo e pagamos religiosamente todo o mês o que foi acertado desde o ano passado. Não atrasamos nenhum dia. Por isso, me causa surpresa saber que o processo está agora no STF", disse à reportagem o diretor financeiro do Corinthians, Emerson Piovezan.

Apesar de o débito ter sido negociado e parcelado pelo clube, os dirigentes terão de responder penalmente pelas acusações. Se condenados, os envolvidos podem ser condenados a até dois anos de detenção e pagamento de multa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.