Reprodução/Instagram
Reprodução/Instagram

Procurador da Venezuela pede prisão de jornalista por tuíte obsceno contra mulher de Messi

Craque argentino está em Caracas para defender a Argentina nesta quinta contra a Venezuela pelas Eliminatórias da Copa do Mundo do Catar

AFP, O Estado de S.Paulo

02 de setembro de 2021 | 17h16

O procurador-geral da Venezuela, Tarek Saab, pediu na quarta-feira a prisão e indiciamento de um jornalista esportivo por "violência simbólica e promoção do ódio", depois que este retuitou e comentou um canto obsceno contra a mulher do astro argentino Lionel Messi. Messi desembarcou em Caracas esta semana para defender a Argentina nesta quinta-feira contra a Venezuela pelas Eliminatórias da Copa do Mundo do Catar-2022.

"Designado Tribunal 94 Nacional para solicitar ordem de prisão e indiciamento do sujeito Fernando Petrocelli pelos crimes de violência simbólica e promoção do ódio por discriminação de gênero: contra a cidadã Antonella Roccuzzo, mulher de LIONEL MESSI”, escreveu Saab no Twitter.

O procurador incluiu na publicação uma captura de tela de um retuíte feito pelo comentarista esportivo venezuelano, que mora na Argentina, de uma mensagem que pedia "cantos picantes" contra a seleção alviceleste. Petrocelli retuitou com uma "sugestão" de mudança aos cânticos de cunho sexual contra a mulher de Messi.  O jornalista de 37 anos apagou a mensagem, criticada por centenas de pessoas, e pediu desculpas antes da ordem de prisão solicitada pelo procurador.

"Lamento profundamente que meu comentário de ontem tenha ofendido as mulheres, que sempre respeito a todo momento. Apresento minhas desculpas mais sinceras. Minha referência eram as músicas de campo que existem na Argentina. Me equivoquei. Não era minha intenção ofendê-las", escreveu.

As autoridades venezuelanas já prenderam pessoas por comentários nas redes sociais, normalmente quando são críticas ao governo do presidente Nicolás Maduro ou seus parentes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.