Professor Romário barra o atacante Romário em decisão

Precisando vencer por três gols, Vasco joga nesta quarta-feira contra o América do México, em São Januário

Bruno Lousada, do Estadão,

23 de outubro de 2007 | 21h30

Aos 41 anos, perto de se aposentar, com mais de 1.000 gols na carreira, Romário parecia já ter vivido tudo no futebol, mas o mundo da bola foi capaz de surpreender mais uma vez. Com a demissão do técnico Celso Roth, ele vai acumular as funções de treinador e jogador até que a diretoria anuncie o nome do novo comandante.Veja também: Romário comanda seu primeiro treino como técnico Romário dará certo como técnico do Vasco? Galeria de fotos do primeiro treino de RomárioE, imprevisível dentro e fora de campo, Romário tomou uma atitude inesperada: decidiu se barrar do jogo desta quarta, contra o América do México, às 21h50, em São Januário - ele pode entrar apenas no decorrer do jogo. A equipe precisa vencer por diferença mínima de três gols para chegar às semifinais da Copa Sul-Americana, pois perdeu a partida de ida por 2 a 0. Se devolver o escore do jogo na Cidade do México, a decisão vão para os pênaltis. Vestindo seu uniforme de treino habitual, o técnico Romário pisou no gramado de São Januário com 15 minutos de atraso em relação ao horário previsto para começar a atividade. Logo atrás, vieram os jogadores. O treinador, então, tomou um copo de café e conversou rapidamente com o preparador físico Mauro Brito, que vai assinar a súmula da partida. Em seguida, conversou ao pé do ouvido com o lateral-esquerdo Rubens Júnior, em baixa após a fraca atuação no clássico com o Flamengo, no qual o Vasco perdeu por 2 a 1, na semana passada. Depois do sermão, correu com o grupo no entorno do campo e fez alongamento. VascoSilvio Luiz; Jorge Luiz, Vilson e Júlio Santos; Wagner Diniz, Amaral, Perdigão, Conca e Rubens Junior; Alan Kardec e Leandro AmaralTécnico: Romário AméricaOchoa; Davino, Ricardo Rojas e Oscar Rojas; Rodríguez, Argüello, Insúa, Castromán e Villa; López e FernándezTécnico: Daniel BrailovskiÁrbitro: Carlos Amarilla (PAR)Estádio: São JanuárioHorário: 21h50 (de Brasília)Enquanto os atletas participavam de animada roda de bobo, Romário bateu papo por 15 minutos com o presidente Eurico Miranda no gramado. Depois, pediu a bola e dirigiu-se para o meio-campo. Distribuiu os coletes amarelos para os titulares e os azuis, aos reservas. Para surpresas de todos, vestiu uma camisa branca por cima do uniforme tradicional para diferenciá-los dos demais. Posicionou-se no centro de campo e mandou a bola rolar. A exemplo do que geralmente faz como atacante, movimentou-se pouco. Circulou mais pelo meio-campo, sempre com uma bola debaixo dos braços. Para poupar energia, escolheu o auxiliar-técnico Silveira para apitar o coletivo, cujo primeiro tempo terminou 0 a 0 e durou 35 minutos. Nesse período, parou a atividade por duas vezes, a fim de corrigir o posicionamento da zaga. Há quatro meses sem atuar, por conta de uma contusão no tornozelo direito, Romário voltou para a segunda etapa trajando o colete dos titulares. E o treinador mostrou Que não perdeu o faro de gol. Na primeira vez em que tocou na bola, balançou as redes. A bola literalmente procurou o craque: o volante Perdigão chutou mal e ela parou nos pés no Baixinho, que girou com velocidade na pequena área e não perdoou. O "professor" exigiu ainda marcação sob pressão na saída de bola. Preocupado com os mínimos detalhes, Romário pôs o elenco para cobrar pênaltis. Ele, no entanto, decepcionou: perdeu as três cobranças que tentou. Deixou o clube sem dar entrevistas e, por meio da assessoria, anunciou a escalação do Vasco com cinco mudanças em relação à equipe derrotada pelo Atlético Mineiro, por 1 a 0, no fim de semana, resultado que culminou na demissão de Roth.

Tudo o que sabemos sobre:
VascoCopa Sul-Americana

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.