Mauricio Rummens
Mauricio Rummens

Projeto de alto rendimento para o futebol feminino é lançado com Cristiane como embaixadora

'Em Busca de Uma Estrela' tem apoio da FPF e busca trazer oportunidades para jovens atletas se tornarem profissionais

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de junho de 2022 | 15h05

Projeto que tem como missão oferecer igualdade de oportunidades para meninas que sonham em se tornar jogadoras é lançado nesta terça-feira. Realçando a equidade de gênero e o gênero, a ação é do Cades, Instituto Cidadania Através do Esporte, e conta com o apoio da Federação Paulista de Futebol (FPF) e Cristiane, atacante multicampeã da seleção brasileira, como embaixadora.

O evento também será 100% gratuito para as participantes interessadas, entre 10 e 19 anos. A ideia inicial é de realizar oito seletivas na cidade de São Paulo, em cada uma das regiões: Norte, Sul, Leste e Oeste. Ao todo, 120 meninas serão selecionadas e divididas em três categorias: Sub-15, 17 e 20.   

As escolhidas terão um ano de treinamentos e todo suporte para que se formem atletas. As atividades acontecerão no PSG Academy, na Barra Funda, e uma comissão técnica especializada em formação em futebol feminino acompanhará toda evolução, para colocar essas meninas em clubes paulistas, que disputem campeonatos oficiais.

"Estamos muito felizes em viabilizar este projeto. O Instituto Cades tem um histórico de realizações no esporte educacional e através dessa realização poderemos proporcionar vivências, situações e conhecimentos diversos, ações que contribuem no fortalecimento emocional e educacional das participantes, esse conjunto de ações acabam construindo empoderamento feminino. As ações do Projeto visam contribuir com a formação das meninas além do treinamento técnico. É um projeto inovador e desafiador, que oportunizará novas perspectivas para as meninas que participarem das peneiras e das que forem selecionadas", comemorou Ana Cristina Amaro, presidente do CADES.

Cristiane esteve presente no anúncio do projeto nesta terça-feira, na Fábrica da Dengo, zona sul de São Paulo, e contou da emoção de participar dessa missão. "É um projeto muito importante, porque tem muitas meninas que não são vistas e precisam de oportunidades. Buscaremos estrelas perdidas em todo canto para que a as meninas não tenha tanta dificuldade quando forem adultas, de ter que correr atrás, porque não tiveram base, profissionais ajudando nas áreas de desenvolvimento. Vamos captar, dar oportunidade, coisa que não tive, como a maioria das atletas profissionais atual", disse.

"No meu início, eu não tive base e não tive formação educacional adequada. Imagino que mundialmente falando, se eu, Marta e Formiga, por exemplo, tivéssemos tido uma preparação melhor, sem dúvidas teríamos atingido outro patamar, e nossa geração teria conquistado uma Copa do Mundo ou uma Olimpíadas. É um projeto de longo prazo, que renderá muitos frutos ao futebol feminino brasileiro", concluiu a atacante, com passagens pelo São Paulo e pela seleção brasileira.

A FPF auxiliará na divulgação das seletivas e também em aproximar os clubes paulistas para observarem as atletas e fazerem captação. No primeiro, não haverá ordem definida de escolha das atletas entre os clubes paulistas parceiros, mas a partir do segundo ciclo, os clubes que mais absorveram jogadoras em seu elenco terão ordem de prioridade.

"As equipes tinham muita dificuldade de captar atletas. Temos uma metodologia totalmente diferenciada para que elas vivenciem isso em um dia de treinamentos e seletiva. Depois, essas meninas terão preparação durante um tempo para que elas possam ingressar nas equipes. É um projeto sério", afirmou Thais Picarte, coordenadora de futebol feminino da FPF.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.