'Projeto Fenômeno' do Flamengo fica para julho

Kléber Leite se irrita com brincadeiras sobre vinda de Ronaldo ao clube rubro-negro

Leonardo Maia, Agência Estado

09 de janeiro de 2008 | 19h34

A diretoria rubro-negra jura que não tratava-se de confete para a torcida, mas o fato é que Ronaldo não jogará pelo Flamengo no primeiro semestre deste ano. O vice-presidente de futebol, Kléber Leite, deu o braço a torcer depois de se reunir com o empresário do jogador, Fabiano Farah, e trabalha agora para trazer o Fenômeno para a Gávea em julho, quando seu contrato com o Milan tem fim. "As pessoas vão ver se é confete ou serpentina em julho", respondeu com veemência Kléber ao Estado. "Nossa tentativa em ter o Ronaldo é assunto muito sério. Me reuni com o procurador dele (terça-feira) e fiquei mais animado do que eu mesmo esperava". Kléber Leite também demonstrou irritação quando questionado sobre possíveis declarações de Ronaldo, divulgadas por agências de notícias internacionais, de que ele nunca conversou com ninguém do Flamengo e que pretende permanecer no Milan.Kléber insistiu que o próprio Ronaldo lhe disse que deseja jogar no clube carioca. "Rapaz, não tem ninguém maluco por aqui. Se ele não tivesse nos dito que quer jogar no Flamengo, não haveria um mundo de gente trabalhando nesse assunto. Ninguém aqui dá cabeçada em parede".O próximo passo, ainda de acordo com o dirigente, passa pela elaboração de uma oferta ao atacante que não trataria apenas de salários e sua performance dentro de campo. "Vamos apresentar um projeto de vida ao Ronaldo, em 20, 25 dias, que mostrará como iremos utilizá-lo também fora de campo e para o futuro, depois de sua aposentadoria". Caso a oferta rubro-negra sensibilize Ronaldo, as partes assinariam um pré-contrato para que o centroavante volte ao Brasil em julho, antecipando-se a uma renovação com o Milan. Mas e se Ronaldo, que retornou aos gramados na terça-feira em partida do Milan contra a seleção dos Emirados Árabes, voltar a jogar em alto nível e o Milan quiser mantê-lo? O Flamengo teria como entrar em uma disputa financeira com o poderoso clube italiano? "Não vejo por que não", diz Kléber. "Este será um ano divisor de águas no Flamengo. Para se ter uma idéia, em três dias de funcionamento experimental da FlaTV (canal via internet que o clube irá lançar oficialmente no dia 16) foram 420 mil cadastrados".A expectativa inicial do departamento de marketing do Rubro-Negro é arrecadar por volta de R$ 6 milhões mensais com a FlaTV. O clube carioca também está em processo de renovação dos contratos de patrocínio com a Petrobras e a Nike.Atualmente, recebe R$ 14 milhões anuais da empresa estatal e quer superar os valores conseguidos por Palmeiras e Corinthians com seus parceiros. A Nike paga R$ 7,5 milhões por ano e o clube quer o dobro. Com o auxílio adicional de outras empresas, que utilizariam Ronaldo em campanhas publicitárias, Kleber acha que tem o dinheiro necessário para trazê-lo.A determinação em repatriar o maior artilheiro da história das Copas do Mundo, no entanto, passa ao largo de Ronaldo recuperar a forma física. "Só por seu nome, teríamos um retorno muito maior do que o investimento que faríamos", calcula Ricardo Hinrichsen, diretor de marketing do Flamengo.A diretoria quer assinar contrato de três ou quatro anos, para que o centroavante encerre sua carreira no clube de coração e depois usá-lo como embaixador, principalmente em iniciativas junto a crianças carentes."Não é bomba de fumaça. Para o começo do ano sabíamos que era difícil, mas vejo boas chances dele vir no meio do ano", acredita Hinrichsen. A torcida rubro-negra continua a esperar por Ronaldo, cada vez mais impacientemente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.