Promoção da Coca-Cola antecipa convocados de Klinsmann

Na terça-feira, o técnico da seleção alemã Jürgen Klinsmann, defendeu que a entrega da lista final de inscrição das seleções para o Mundial fosse adiada para duas semanas depois de 15 de maio, data estipulada pela Fifa para sua apresentação. Surpreendentemente, a Coca-Cola, que deve lançar latas na Alemanha até o fim de março com imagens dos jogadores da seleção, antecipou nesta quarta-feira, segundo publicou o jornal econômico alemão Handelsblatt, o maior do país, 16 jogadores da lista de Klinsmann para a Copa deste ano. Quem entregou a lista com os atletas para a multinacional americana foi Oliver Bierhoff, coordenador da seleção alemã, que também tem contrato com a Coca.Os atletas que terão suas imagens nas latas são: Michael Ballack (Bayern), Christoph Metzelder (Borussia Dortmund), Arne Friedrich (Hertha), Torsten Frings (Werder Bremen), Oliver Kahn (Bayern), Per Mertesacker (Hannover 96), Miroslav Klose (Werder Bremen), Patrick Owomoyela (Werder Bremen), Bastian Schweinsteiger (Bayern), Bernd Schneider (Bayer Leverkusen), Tim Borowski (Werder Bremen), Lukas Podolski (Colônia), Philipp Lahm (Bayern München), Jens Lehmann (Arsenal), Sebastian Deisler (Bayern) e, apesar de sua operação no joelho, que o deixará três meses fora, Kevin Kuranyi (Schalke04).Fora da lista da empresa estão jogadores que até agora contavam com a confiança de Klinsmann. Entre as ausências estão Robert Huth, Gerald Asamoah, Marcell Jansen, Lucas Sinkiewicz, Thoams Hitzelsberger, Timo Hildebrandt, Thomas Brdaric, Mike Hanke e Oliver Neuville, vice-campeão mundial em 2002. Jogadores mais experientes como Dietmar Hamann, Sebastian Kehl e Christian Wörns, que bateu boca publicamente com o técnico da seleção, não aparecem na lista. Depois da humilhante goleada para a Itália por 4 a 1, em Florença, Klinsmann enfrenta agora mais um obstáculo contra sua permanência à frente da seleção anfitriã da Copa. A Fifa anunciou nesta quarta-feira que poderia adiar a apresentação da lista para o fim de maio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.