Maurizio Degl'innocenti/EFE
Maurizio Degl'innocenti/EFE

Promotor antidoping pede arquivamento do caso Cannavaro

O zagueiro italiano da Juventus foi pego em um exame após tomar remédios contra uma picada de abelha

EFE,

10 de outubro de 2009 | 13h24

ROMA - O chefe da Promotoria do Comitê Olímpico Italiano (Coni), Ettore Torri, pediu neste sábado ao Tribunal Nacional Antidoping que arquive o caso do capitão da seleção de futebol do país, Fabio Cannavaro, pego em um exame antidoping após tomar remédios contra uma picada de abelha.

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

Torri, segundo uma nota do Coni, fez o pedido "após confirmar a veracidade do episódio, o comportamento dos médicos e o fato de que não foi entregue ao atleta uma carta do CEFT (Comitê para a Isenção com Fins Terapêuticos)".

Segundo o chefe da Promotoria, o CEFT havia pedido à Juventus, por carta, que apresentasse documentos que justificassem porque Cannavaro teve que tomar remédios em caráter de urgência.

A carta, no entanto, nunca foi aberta, já que foi parar em uma gaveta errada de um escritório da sede do clube em Turim.

Para Torri, não houve má fé. Mas, se investigações posteriores provarem o contrário, ele disse que punirá o clube.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.