Promotor italiano quer ação contra brasileiro Mancini por crime sexual

Jogador brasileiro, que nega acusações, teria violentado cantora em festa em Milão.

Assimina Vlahou, BBC

27 de abril de 2011 | 18h18

Um promotor público de Milão (norte da Itália) solicitou que o jogador brasileiro Mancini, atualmente no Atlético Mineiro, seja processado por violência sexual e lesões corporais, informaram nesta quarta-feira jornais do país.

A violência teria ocorrido em dezembro de 2010 em Milão, durante uma festa do jogador Ronaldinho Gaúcho, e teria vitimado uma cantora brasileira de 30 anos bastante conhecida no Brasil, segundo a imprensa italiana. A mulher não teve a identidade revelada.

Na época, Mancini jogava na Inter de Milão, após passar pelo Milan e pela Roma.

De acordo com os jornais, que citam fontes da Promotoria, Mancini teria conhecido a cantora na madrugada de 9 de dezembro. Ele teria aproveitado que ela se encontrava em estado de embriaguez para obrigá-la a manter relações sexuais repetidamente, provocando escoriações.

A brasileira denunciou o caso à polícia na manhã seguinte, após ter passado por exames médicos no setor especializado em violência sexual do Hospital Mangiagalli, de Milão.

Jogador nega

O promotor encarregado do caso é Elio Remondini, do tribunal de Milão.

O caso veio à tona em fevereiro passado, quando a imprensa italiana divulgou que o incidente estava sendo investigado.

No Brasil, Mancini, de 31 anos, disse que não houve violência sexual, já que a mulher teria concordado com a relação.

Alem de Mancini, seu procurador, Geraldo Eugenio do Nascimento, de 56 anos , também estaria envolvido, acusado de tentar acobertar a denúncia.

Mancini voltou ao Brasil em janeiro deste ano para jogar em Belo Horizonte pelo Atlético Mineiro, clube onde iniciou sua carreira.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.