José Patrício/Estadão
José Patrício/Estadão

Promotor pede para CBF tirar jogo do Palmeiras da arena

Possível violência da torcida em caso de queda faz com que Paulo Castilho defenda o jogo contra o Atlético-PR no Pacaembu

DANIEL BATISTA, O Estado de S.Paulo

01 de dezembro de 2014 | 15h59

Se depender da vontade do promotor Paulo Castilho, do Ministério Público de São Paulo, o Palmeiras não vai enfrentar o Atlético-PR no no seu estádio. O jogo é neste domingo, às 17h, como todo o restante da última rodada do Brasileirão. O promotor entregou nesta segunda-feira ofício ao presidente da CBF, José Maria Marin, no qual solicitava a alteração do local da partida e também a mudança de data do jogo do time alviverde ou do Corinthians, que também atua em São Paulo, contra o Criciúma.

A preocupação de Castilho é com a segurança. Em caso de rebaixamento do Palmeiras, ele teme que o estádio se torne uma praça de guerra, já que atualmente tem muito mais facilidade para ser invadido do que o Pacaembu, por exemplo, que seria uma opção mais próxima.

Outra preocupação é com possíveis encontros de corintianos e palmeirenses nas ruas e no metrô da cidade, uma vez que para ir ao estádio do Palmeiras e ao Itaquerão, usa-se a mesma linha (a de número 3, vermelha). O problema é que para mudar o jogo do Corinthians para sábado, teria de alterar também o do Internacional, que enfrenta o Figueirense e luta pela vaga direta para a Libertadores.

O presidente do Palmeiras, Paulo Nobre, recebeu o ofício na sexta-feira, enquanto o dirigente do Corinthians, Mário Gobbi, e da Federação Paulista de Futebol (FPF), Marco Polo Del Nero, receberam o documento nesta segunda apenas. A expectativa é de que ainda nesta segunda seja resolvida a situação.

O que causa maior preocupação é o jogo do Palmeiras em seu recém-inaugurado estádio. Em 16º lugar da tabela, com 39 pontos, o time só depende de suas forças para escapar do rebaixamento. Caso derrote o Atlético-PR, evita a queda independentemente dos resultados dos jogos de Vitória e Bahia, rivais diretos na disputa para fugir da degola.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.