Albert Gea/Reuters
Albert Gea/Reuters

Promotoria da Espanha pede 11 anos de prisão para Rosell e multa de R$ 257 milhões

Ex-dirigente teria lavado dinheiro de comissões ilegais de direitos de transmissão de amistosos da seleção brasileira

O Estado de S.Paulo

25 de julho de 2018 | 11h38

O Ministério Público da Espanha pediu 11 anos de prisão e uma multa de 59 milhões de euros (R$ 257 milhões) para o ex-presidente do Barcelona, Sandro Rosell, sob a acusação de lavagem de dinheiro e organização criminosa. Segundo o jornal espanhol La Vanguardia, o pedido foi incluído na acusação apresentada à juíza Carmen Lamela na investigação contra o ex-dirigente. Rosell está, atualmente, preso aguardando o julgamento.

+ Ricardo Teixeira 'desviou' dinheiro da CBF em esquema com Valcke e Rosell

+ Em livro, Joseph Blatter aponta ‘caixa-preta’ da ISL e de Havelange

O ex-dirigente é acusado de lavar 19,9 milhões de euros (R$ 72,8 milhões) da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) e teria ficado com pelo menos 6,5 milhões de euros (R$ 23,8 milhões). A investigação apontou que Rosell, sua esposa, Marta Pineda, o advogado Joan Besolí e outras três pessoas faziam parte de uma organização criminosa que desviava dinheiro da CBF na gestão do presidente Ricardo Teixeira. O esquema teria lavado 19,9 milhões de euros (R$ 72,8 milhões) de comissões ilegais  de direitos de transmissão de 24 amistosos da seleção brasileira. Há, ainda, 5 milhões de euros (R$ 18,3 milhões) do contrato de patrocínio da entidade com a Nike.

O Ministério Público pediu dez anos de prisão e uma multa de 55 milhões (R$ 239 milhões) a Joan Besolí. Já contra Marta Pineda, a solicitação à Justiça foi de sete anos de prisão e multa de 50 milhões de euros (R$ 218 milhões). Também são acusados o cunhado de Besolí, Pedro Andrés Ramón (8 anos de prisão); o libanês ex-sócio de Rosell, Sahe Ohanessian (7 anos na prisão); e José Colomer, também sócio do ex-presidente do Barcelona (6 anos de prisão).

Para dar a aparência de legalidade à operação fraudulenta, a acusação é de que foi formada uma rede de transferências bancárias a partir de empresas e contas de Andorra. O texto da Promotoria afirma que os acusados, "pelo menos desde 2006, formaram uma estrutura estável, reforçada por vínculos de amizade e parentesco, dedicados à lavagem de capitais em grande escala", tudo comandado por Rosell, para "permitir a realização de determinadas operações cuja finalidade era a incorporação ao trânsito legal de lucros obtidos em atividades penalmente relevantes cometidas em qualquer país do mundo".

Sandro Rosell, que está preso desde maio do ano passado, foi transferido nesta quarta-feira para a sistema prisional Brians 2, em Sant Esteve Sesrovires, província de Barcelona. Ele estava detido na prisão Soto del Real, em Madri.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.