Proposta por Robinho foi de US$ 10 mi

O Santos recusou a proposta feita pelo PSV Eindhoven para levar Robinho. E a oferta foi bem abaixo do valor de 20 milhões (US$ 24 milhões) que andou circulando. O clube holandês ofereceu US$ 10 milhões, que seriam divididos da seguinte maneira: US$ 6 milhões para o Santos, que tem apenas 60% dos direitos federativos do atacante, e US$ 4 milhões para Robinho. A reunião em que a proposta foi recusada e a negociação encerrada ocorreu na tarde de quinta-feira em São Paulo. Um dia antes, quando um fax com a proposta do clube holandês já tinha chegado à Vila Belmiro, o presidente santista Marcelo Teixeira havia dito que não havia negociação em andamento com o PSV.Há 40 dias, o Santos já havia recusado uma oferta de US$ 12 milhões feita pelo Chelsea, que colocaria Robinho para jogar no Ajax até sentir que ele estava pronto para enfrentar a competitividade do Campeonato Inglês, que é bem mais duro do que o Holandês.A intenção do PSV era apresentar Robinho como "o terceiro ?R? brasileiro" a jogar no clube, depois de Romário e Ronaldinho. Para os dois artilheiros, o PSV foi a porta de entrada no futebol europeu. E os dois saíram de Eindhoven para o Barcelona, dando muito lucro ao clube. O plano era fazer o mesmo com Robinho, confiando que seu talento apareceria muito num campeonato com alta média de gols como é o da Holanda e atrairia a atenção de grandes clubes da Itália, Espanha e Inglaterra dispostos a pagar muito dinheiro para contratá-lo.O Santos quer que Robinho tenha tranqüilidade para jogar na reta final do Campeonato Brasileiro e por isso não pretende mais ouvir interessados em seu futebol até o fim da competição. Como é praticamente certo que o time disputará a Libertadores em 2005 - só uma queda vertiginosa de rendimento deixaria o Santos fora da zona de classificação para o torneio -, Marcelo Teixeira quer segurar sua estrela pelo menos até a metade do ano que vem. Isso significa que o presidente pode até acertar sua venda em janeiro, mas só baterá o martelo se o clube comprador aceitar deixá-lo na Vila até o fim da Libertadores.Robinho não ficou frustrado com o desfecho da negociação. E deu a entender que julho será mesmo o mês do adeus ao futebol brasileiro. "Penso em jogar mais uma Libertadores pelo Santos", disse ontem de manhã.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.