Protesto impede entrada de torcedores do Danúbio na Argentina

Torcedores do clube uruguaio encontram dificuldades para assistir ao jogo contra o Lanús, nesta quinta

Efe

14 de fevereiro de 2008 | 18h15

Argentinos que bloqueiam uma ponte na fronteira entre Argentina e Uruguai, em protesto contra a instalação de uma fábrica de celulose no país vizinho, impediram a passagem de torcedores do clube uruguaio Danúbio que se dirigiam a Buenos Aires para um jogo da Copa Libertadores da América. Segundo Andrés Rivas, integrante da Assembléia Ambiental da cidade argentina de Gualeguaychú - que desde novembro de 2006 mantém bloqueada a passagem que une o município argentino com a cidade uruguaia de Fray Bentos -, os torcedores do Danúbio não "pediram autorização" para passar.Rivas acrescentou que o grupo vindo do Uruguai estava dividido em quatro ônibus e deveria ter ido até outra ponte na fronteira para seguir viagem a Buenos Aires, onde o Danúbio joga na noite desta quinta-feira com o Lanús (ARG), pela Libertadores.A instalação de uma fábrica de celulose da firma finlandesa Botnia em Fray Bentos criou o pior conflito diplomático entre Argentina e Uruguai em décadas. O caso foi levado inclusive à Corte Internacional de Justiça, em Haia (Holanda).A instalação da Botnia foi inaugurada em novembro, e é motivo de protestos de habitantes da província argentina de Entre Ríos, que bloqueiam com freqüência as três passagens terrestres entre os dois países.A Assembléia Ambiental de Gualeguaychú se pôs à frente da luta contra a fábrica de celulose por considerá-la uma ameaça ao meio ambiente. Uma delegação do grupo será recebida hoje em Buenos Aires pela presidente argentina, Cristina Fernández de Kirchner.Os participantes da assembléia disseram que ratificarão seu desejo de que a Botnia interrompa as suas atividades em Fray Bentos, e convidarão a presidente a visitar Gualeguaychú.

Tudo o que sabemos sobre:
Copa Libertadores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.