EFE/Vassilis Psomas
EFE/Vassilis Psomas

Sob protestos, tocha da Olimpíada de Inverno de Pequim-2022 é acesa na Grécia

Duas ativistas que fazem parte da campanha "Não a Pequim 2022" foram presas em Atenas no último domingo

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de outubro de 2021 | 10h51

A cerimônia para o acendimento da tocha olímpica dos Jogos de Inverno de Pequim-2022, teve protestos de ativistas pedindo o boicote ao evento esportivo e contra a gestão de direitos humanos da China, em especial contra a minoria uigur, mas também em Hong Kong, nesta segunda-feira, 18, nas ruínas da cidade de Olímpia, na Grécia. Mesmo sem a presença de público, por conta da pandemia do novo coronavírus, uma bandeira com os dizeres "Não aos Jogos Genocidas" foi exposta no local.

O presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, esteve presente na cerimônia e pediu mais união. "Nestes tempos difíceis em que vivemos, os Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim 2022 serão um momento importante para reunir o mundo em um espírito de paz, amizade e solidariedade".

No domingo, 17, duas ativistas foram presas em Atenas, capital da Grécia, após tentarem pendurar uma faixa na Acrópole às vésperas do início do revezamento da tocha olímpica. A estudante tibetana Tsela Zoksang, de 18 anos, e a ativista exilada de Hong Kong, Joey Siu, de 22, têm cidadania americana e são membros da campanha "Não a Pequim 2022".

As duas, além de uma terceira pessoa, entraram na ruínas na capital grega como turistas. Elas colocaram uma bandeira do Tibete e uma faixa pedindo a liberdade de Hong Kong, e gritaram palavras de ordem contra a China e os Jogos na capital chinesa.

A chama olímpica será entregue à China em uma cerimônia no estádio Panatenaico, na capital grega, de onde irá para o país asiático e começará o revezamento que terminará no estádio Ninho do Pássaro, no dia 4 de fevereiro de 2022, data da cerimônia de abertura dos Jogos de Inverno, que serão realizados até 22 do mesmo mês.

The flame for the Olympic Winter Games #Beijing2022 has been lit pic.twitter.com/aw1vFyS2dg

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.