Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Provocações à Argentina e exaltação a ex-corintianos marcam jogo do Brasil

Fagner, Marquinhos, Paulinho, Renato Augusto e Tite foram muito aplaudidos quando pegavam na bola

Felippe Scozzafave, O Estado de S.Paulo

29 de março de 2017 | 00h14

A torcida paulistana finalmente matou a saudade da seleção brasileira. E foi em grande estilo, com a tranquila vitória por 3 a 0 sobre o Paraguai. De bem com o time, que venceu os últimos oito jogos nas Eliminatórias e com a classificação à Copa do Mundo cada vez mais perto, as arquibancadas ditaram o ritmo do jogo e fizeram uma verdadeira festa.

Como o jogo foi disputado na Arena Corinthians e grande parte dos torcedores era dos dono da casa, a festa foi especial para Fagner, lateral-direito que atua no clube e também para atletas que defenderam as cores corintianas, como Marquinhos, Paulinho, Renato Augusto, Willian e, principalmente, o técnico Tite, que fez história no comando da equipe, conquistando, entre outros títulos, a Libertadores, o Mundial e duas edições do Campeonato Brasileiro.

Por diversas vezes, os mais de 44.000 pagantes cantaram músicas como "Olê, olê, olê, olê, Tite, Tite", canto usado pela torcida do Corinthians para exaltar o treinador, que treinou o clube até junho de 2016. Possivelmente, o técnico só não foi mais saudado que Neymar, grande craque da atual geração brasileira.

Para a festa nas arquibancadas ficar completa, não poderia faltar uma provocação à Argentina, grande rival do Brasil e que, nesta terça-feira, perdeu para a Bolívia por 2 a 0. A "homenagem" escolhida foi a famosa "Mil gols, mil gols, mil gols, mil gols, mil gols. Só Pelé, só Pelé, Maradona cheirador", que ficou bastante famosa na Copa do Mundo de 2014. Depois do terceiro gol, outro tradicional grito foi ouvido das arquibancadas: "O campeão voltou", em alusão ao grande momento vivido pela seleção".

Até mesmo a Chapecoense, clube que sofreu com um acidente aéreo em novembro do ano passado, matando a maior parte de sua delegação, também foi lembrada na Arena Corinthians.

BRONCA DO LOCUTOR

A torcida brasileira, desde os primeiros minutos de jogo, "perseguiu" o goleiro Anthony Silva, do Paraguai, com gritos homofóbicos quando o arqueiro se preparava para bater tiros de meta. Por causa disso, o locutor oficial do estádio deu uma bronca nos torcedores, pedindo respeito: "Alô torcida brasileira, vamos apoiar o Brasil e não insultar os adversários". Segundos após o pedido, porém, a torcida voltou a insultar o goleiro e continuou agindo assim até o apito final.

Já durante as eliminatórias, o Brasil foi punido por causa desses mesmos gritos homofóbicos no jogo contra a Colômbia, em Manaus. Na ocasião, a CBF foi obrigada a pagar uma multa de 20 mil francos suíços (R$ 71,7 mil).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.