Próximo objetivo de Gil é a seleção

Gil driblou pela esquerda, pela direita, pedalou na frente dos marcadores, como fez o santista Robinho na final do Brasileiro de 2002, e foi a síntese do campeão. Criou a jogada do primeiro gol, servindo Liedson, e ajeitou de cabeça para Jorge Wagner marcar o terceiro, garantindo a vitória do Corinthians sobre o São Paulo por 3 a 2 e confirmando o título paulista. O atacante já sabe o que quer como recompensa: a seleção. "Agora, espero ser lembrado pelo Parreira?, disse Gil.No lance do primeiro gol, Gil não tomou conhecimento de Gabriel e serviu Liedson, que girou em cima de Júlio Santos antes de bater no canto baixo esquerdo de Rogério Ceni. O atacante contagiou a fiel torcida com seus dribles em velocidade, em alguns momentos. Em outros, foi inteligente ao reter a bola à frente dos zagueiros até sofrer a falta, ganhando tempo e irritando os adversários."Foi nossa resposta dentro de campo para um regulamento mal feito. Corrigimos os erros com duas vitórias maravilhosas, mostrando a sua superioridade", destacou Gil, eufórico com a conquista do título paulistaO Corinthians contou com a estrela de Jorge Wagner, um talento desprezado por Vanderlei Luxemburgo, no Cruzeiro, ganhando seu primeiro título pelo clube do Parque São Jorge com dois gols marcados na grande final. Teve também Liedson, que não faz três anos ainda era empacotador num supermercado em Salvador, para ajudar a família a ter o que comer. Mas, embora não tenha feito nenhum gol na finalíssima, Gil conseguiu estar acima de todos.Ele foi o herói o melhor não só do jogo de hoje, mas das duas partidas da decisão. Autor do terceiro gol na vitória corintiana na primeira partida, Gil confirmou sua força. Foi graças à sua atuação no primeiro tempo que o Corinthians abriu um vantagem que nem como uma forte reação o São Paulo não conseguiu desfazer.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.